quinta-feira, 30 de agosto de 2018

É Preciso Semear para Colher

Encontrei-me inadvertidamente a pronunciar a frase “é preciso semear para colher”, ou seja, nada se faz sem o nosso empenho, esforço e dedicação. Há alguns dias convidaram-me para ir a uma praia situada na zona da Costa da Caparica. A minha primeira ideia foi declinar o convite face a toda uma série de preconceitos existentes. Lembrava-me bem das enormes filas na Ponte 25 de Abril. Depois a dificuldade em estacionar. E ainda a falta de estruturas. Mas queria muito usufruir da companhia da minha neta que ansiosamente dizia: “Vem vovó, vamos brincar, nadar, jogar, vai ser muito bom”. Acho que a minha neta julga que tenho a sua idade e quer a minha companhia. Pensei interiormente que o melhor mesmo era fazer um esforço em prol do bem-estar da minha neta e para fomentar relações, laços, memórias… Acabaria mesmo por anuir. Tenho de reconhecer que não foi tão mau conforme tinha ajuizado. Constitui mesmo uma agradável surpresa. Uma vista maravilhosa da ponte. O trânsito não estava assim tão complicado. Optámos pela Praia Morena em que não havia qualquer problema em estacionar o carro. Há muitos anos que não vinha para esta zona, sendo que as memórias e as referências não eram as melhores. Mas depois viria a constituir uma agradável surpresa. O acesso à praia era feito em boas condições. Havia igualmente uma bar/restaurante com bom aspeto com uma vista sobre o mar fabulosa. Um areal extenso, convidativo para uma boa caminhada e, muito importante, era uma zona vigiada. A areia branca e fina. Ao vazar a maré, ficaram a descoberto várias zonas que formavam pequenos lagos que a minha neta muito apreciou, pois formavam piscinas naturais onde mergulhou sem receio. A água era de um azul transparente, com pequenas ondas nesse dia, ainda que um pouco fria. Perante esta maravilha que observava, recordei S. Francisco de Assis que referiu: “Louvado sejas, ó meu Senhor, pela irmã Água, que é tão útil e humilde, preciosa e casta”. 

Segundo o nadador-salvador a quem perguntei qual a temperatura da água, ficámos a saber que devia rondar os 17 graus. A bandeira era de cor amarela. Questionei o porquê deste facto, tendo referido que era precisamente pela existência de fundões, correntes e remoinhos, pelo que todo o cuidado era pouco. Na verdade, é uma praia muito agradável, mas em que se torna necessário estar bem atentos aos sinais que o mar nos transmite. O meu filho comentou que há todo um histórico de acidentes, alguns deles fatais, devido à falta de cuidado, ou ao desconhecimento da sua perigosidade. Bem ciente da responsabilidade face à informação que nos foi transmitida, acompanhei sempre de perto a minha neta, ou, em alternativa, os seus pais. Com o mar, todo o cuidado é pouco! Na realidade foi uma manhã excelente. Fiz as pazes com esta zona. Depois chegou o momento de uma caminhada.

Recordei a Carta Encíclica do Papa Francisco Laudato Si’ que dá enfase ao facto de as pessoas, enquanto seres humanos, se devem sentir movidas a cuidar do ambiente do qual fazem parte: “Se tivermos presente a complexidade da crise ecológica e as suas múltiplas causas, devemos reconhecer que as soluções não podem vir de uma única maneira de interpretar e transformar a realidade… Se quisermos construir uma ecologia que nos permita reparar tudo o que temos destruído, então nenhum ramo das ciências e nenhuma forma de sabedoria pode ser descurada”. O ponto 108 salienta: “O homem precisa de ser novamente educado para se maravilhar, reconhecendo a verdadeira beleza das coisas criadas”.

Pois é, na realidade, quando era pequena, apanhava imenso berbigão e ameijoas, na companhia dos meus irmãos e da avó Isabel que muito atenta nos vigiava. Foram bons tempos, esses, que passamos na sua companhia. Ficam as memórias. Também a esperança de que o molusco bivalve possa voltar a aparecer em quantidade graças à colaboração de todos. Parece que tudo é cíclico, que tem uma continuidade através das gerações. Agora sou eu que acompanho a minha neta.

Feitas as pazes com a zona, regressámos a Lisboa na companhia de uma neta feliz, afirmando encantada com um brilho nos olhos, antes de adormecer no carro face ao seu estado de cansaço, querer futuramente vir a ser profissional de surf... No dia seguinte, graças à insistência da minha neta, repetimos o mesmo passeio à praia, em detrimento de uma visita a um museu, já que esta se poderá fazer em qualquer altura do ano. Na verdade, importa mesmo ‘alimentar’ as relações humanas, para que mais tarde se possam colher os frutos.



Maria Helena Paes



Sem comentários:

Enviar um comentário