quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Presépios na Cidade

Estamos a aproximarmo-nos do Natal. Momento “zen” no ano civil.

Para muitos o Natal é apenas isto, uma reunião de família, um momento “zen” no ano civil que nos faz esquecer por momentos as dificuldades da vida, uma altura fantástica para ir às compras e esquecer que vida é cara e que se tem de poupar e que há guerras e fome e…
 
Mas tudo isto é finito. Depois do Natal apagam-se as luzes e o momento “zen” fica vazio.

Será só isto o Natal? Ainda existe o Natal? O Papa Francisco referiu numa homilia a finais de novembro do ano passado que “"Estamos perto do Natal: haverá luzes, festas, árvores iluminadas, presépios… mas é uma farsa. O mundo continua a fazer as guerras. Não escolheu o caminho da paz".

O Natal é a paz, paz que Jesus veio trazer à terra e que, como hoje, poucos quiseram aceitar.    
 
Paz na família, paz em cada coração, paz que vem de olhar para o exemplo da família de Nazaré. José e Maria não foram poupados a dificuldades, mas reina a paz entre os dois. Reina a paz e o amor naquele presépio num lugar tão inesperado.

É isto que cada Presépio na Cidade nos lembra. Isto é o Natal: o nascimento de Jesus. Isto é que cada Presépio em cada casa deveria lembrar.

Recordo aqui e louvo a equipe do “Presépio na Cidade” que, em Lisboa, junto à Basílica dos Mártires, tem dado tanto testemunho. Há praticamente 10 anos que mostram de viva voz o que é o Natal. Um grande bem hajam. Seria tão bom que esta iniciativa, este “Presépio na Cidade” chegasse a outras cidades. Dar vida a cada Presépio que haja em cada cidade.
       
Não interessam as riquezas, a mesa cheia, presentes e brinquedos que não acabam, luzes e enfeites…

Interessa olhar para o presépio. Entrar no presépio. Admirar o menino Jesus tranquilo a dormir ao colo de Nossa Senhora. Deixar os nossos problemas no presépio. Pensar nos outros. Nessas crianças que não têm nada, nesses países em guerra que tanto dariam por poder dormir e viver sem medo.

Um Santo Natal.
Rita Parreira Anes de Oliveira






Sem comentários:

Enviar um comentário