domingo, 25 de dezembro de 2016

Beja: Presépio tradicional português quer destacar verdadeiro sentido do Natal

Uma mensagem de «festa e alegria» que está em causa numa sociedade que parecer querer viver «sem Deus», diz D. João Marcos

Beja, 23 dez 2016 (Eclesia) – A igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, em Beja, está a mostrar ao público, até dia 6 de janeiro, um presépio tradicional português, numa iniciativa da diocese com a autarquia local para destacar o verdadeiro sentido do Natal.

Em entrevista à Agência ECCLESIA, o bispo de Beja realça que o presépio mostra “de forma plástica a beleza de Deus que ama”, que “vem ao encontro” da humanidade, que “se faz homem”, criança, para renovar em todos a “esperança” de uma vida melhor.

Uma mensagem de “festa e alegria” que está em causa numa sociedade atual que parece querer viver “sem Deus” e por isso “desumaniza-se”.

“A História recente mostra-o. Tiramos Deus e o relacionamento entre as pessoas degrada-se rapidamente, nós precisamos de Deus para sermos homens e mulheres, seres humanos, para sermos pessoas”, frisa D. João Marcos, cuja reflexão remete não apenas para realidades como a guerra ou a violência mas para o drama interior em que vivem hoje muitos homens e mulheres.

“A mim impressiona-me muito a tristeza que as pessoas trazem espelhada no seu rosto. Em todos os lados, aqui no Alentejo também, pessoas que vivem uma vida sem horizontes, em que se fecham em si próprias e aguentam até onde podem, numa solidão assombrosa. E tem de vir algo de fora, Jesus Cristo, que vem libertar as pessoas deste fatalismo”, complementa.

O presépio da igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, em Beja, tem como objetivo recolocar “no centro” do Natal o “nascimento de Cristo”, uma simbologia que corre o risco de se perder para o lado mais “comercial” desta quadra.

“A sociedade atual é demasiado apressada, o próprio consumo está-se a querer apoderar de certa maneira desta manifestação”, aponta José António Falcão, diretor do Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja.

Segundo aquele responsável, a história do presépio tradicional português remonta ao “século XVI” e “constitui uma das manifestações da cultura artística portuguesa, faz parte da identidade nacional”.

“No entanto”, este “legado” está hoje “em risco”, pois “já não são muitas as pessoas” dispostas a dedicarem-se a esta arte.

Além da aposta na divulgação do presépio tradicional português, a Diocese de Beja está apostada em preservar “estes conhecimentos”, de modo a que as novas gerações possam prosseguir com este trabalho.

“Esta experiência que aqui realizámos foi muito interessante, porque associámos a vários adultos que, como voluntários, conceberam, projetaram e construíram o presépio, uma criança de seis anos, que será um elo desta continuidade em que apostamos”, frisa José António Falcão.

Para já, esta iniciativa do presépio tem contribuído para abrir o debate à volta do sentido do Natal e recordar as próprias tradições que o envolvem.

“Muitos do que visitam o presépio já têm uma certa idade e vêm de certa forma rever a sua infância e as suas memórias, quase sempre acabam por contar histórias da sua vida, de quando eram pequenos e construíam este tipo de presépios, de envolvência familiar”, realça António Gonçalves, um dos técnicos responsáveis pela apresentação da exposição.

“Tudo o que pudermos acrescentar como outras mais-valias para aquilo que já existe, para aquilo que é importante mostrar serão sempre ideias bem-vindas”, acrescenta o vice-presidente da Câmara Municipal de Beja, Vítor Picado.

O presépio tradicional português vai estar exposto na igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, no centro da cidade de Beja, até dia 6 de janeiro, altura em que a iniciativa será encerrada com um espetáculo musical, um ‘Cante ao Menino’.

JCP

in



Sem comentários:

Enviar um comentário