segunda-feira, 31 de julho de 2017

Secuestrado, tuvo una visión de Dios, rezó un rosario muy meditado y lo liberaron: ahora evangeliza

José Rodrigo Jaramillo, iniciador de los grupos de oración Lazos de Amor Mariano

José Rodrigo Jaramillo vivió una experiencia mística transformadora mientras estaba secuestrado
31 julio 2017



José Rodrigo Jaramillo nunca imaginó que siendo secuestrado sería el momento en el que tuviera un fuerte encuentro con Dios a través de María. Precisamente, esta experiencia de sufrimiento extremo y de consuelo es lo que le ha llevado a ser un evangelizador. Algo que él nunca habría imaginado pese a ser educado como católico.


Creció en una familia acomodada que le permitió tener buenos estudios y conseguir un buen trabajo y una buena posición pero en Colombia durante la década de los 80 del pasado siglo ese hecho le podía colocar en la diana. Así sucedió.

Secuestrado en Colombia por el ELN
José recuerda como si fuera ayer aquel 30 de noviembre de 1984 cuando miembros del Ejército de Liberación Nacional (ELN) le secuestraron. “Yo tenía 28 años y me estaban esperando los guerrilleros aquí en la entrada de mi casa. Pensé que me iban a robar el coche, pero pronto dijeron: ‘te queremos a ti’”, cuenta en una entrevista en Portaluz.

Pisado por sus captores, amarrado y apuntado por un arma de fuego temía que le fuesen a matar y por ello decidió abandonarse en manos de Dios. “En ese instante le dije: ‘¡Dios mío perdóname si te he ofendido, me pongo en tus manos haz lo que quieras de mí!’”.
Los guerrilleros le mantuvieron semidesnudo y con los ojos vendados
“¿Cómo podía estar secuestrado y contento?”
Tras pronunciar estas palabras sintió paz e incluso dicha. “No podía explicarlo y luego me preocupé, pensando que me estaba volviendo loco; porque ¿cómo podía estar secuestrado y contento?”. Comenzaba así un conjunto de vivencias que moldearían el alma de este hombre, en un proceso particular de conversión.

Muchas de las personas que son secuestradas en Colombia acaban siendo asesinadas y quienes sobreviven padecen secuelas tanto físicas como psicológicas por años. Para José Rodrigo no sería así y está convencido que Dios, por mediación de la Virgen María, intervino de forma extraordinaria en lo que vivió.

“Nada más llegar al lugar donde me retenían me quitaron mi ropa y me dejaron únicamente en calzoncillos  y con los ojos vendados”. Allí, reducido a permanecer sobre algo que le pareció era una cama, sin siquiera poder ir a orinar, llegó la primera noche. La recuerda traumática, como si el tiempo no existiera. Pero finalmente al percibir a través de la venda que despuntaba la luz del día se sintió nuevamente confortado y su corazón se volcó a Dios.

“Tuve entonces una visión. El agua salía del costado del corazón de Jesús, vi que el mundo se alejaba, Jesús estaba a mi lado y le pregunté: ¿Señor y el mundo qué? Me dijo: ‘Todo está bien, tranquilo’. Me mostró lo que yo había amado y me di cuenta que había amado muy poquito. Le dije: Señor, ¡qué importante es amar!, y me contestó con una impresionante voz, muy dulce y viril: ‘…Y dejarse amar por Dios’. Me mostró entonces un océano gigante que no veía donde terminaba; supe que se llamaba océano de misericordia, luego vi flotando una chispita muy pequeña que era mi alma; luego vi otras chispitas pequeñas, que eran las personas que yo había amado o me habían amado. Entonces le dije: Señor nunca en mi vida desaprovecharé una oportunidad para amar. En ese instante se soltó esa visión”, explica con detalle José Rodrigo.

José Rodrigo Jaramillo Fernández

La intervención de la Virgen
Consolado enormemente por aquella visión afirma que sintió la necesidad de rezar confiándose a la Virgen María. “Fue un rosario larguísimo porque medité todas las frases de las 50 Ave Marías”, puntualiza. Nada más finalizar aquél rosario meditado ante sus secuestradores ocurrió algo extraordinario.

“Cuando terminé escuché a los secuestradores decirme: ‘Rodrigo perdónenos, no le vamos a hacer nada, lo vamos a llevar a su casa’; y así fue, me pusieron ropa suya, me montaron en el coche y me dejaron frente a la iglesia de mi casa, Nuestra Señora  de los Dolores en el barrio robledo de Medellín”, afirma durante la entrevista con Portaluz.

Su vida ya no era igual
Su vida ya no sería igual, no tanto por el secuestro sino más bien por el encuentro que había tenido con Dios y con la Virgen. Empezó a meditar a diario el Evangelio y tras la petición que le hizo su prima para dar una charla a personas de la calle, sintió la necesidad de hablar de Dios al mundo.

Todo fue sucediendo sin que se diera cuenta. Empezó a formar parte de un grupo de oración que rezaban el Rosario y fue una de los miembros quien le pidió que apoyase a un grupo de jóvenes.

El camino le llevó a iniciar un movimiento mariano
“Al reunirme con ellos y verlos tan interesados les propuse hacer un grupo de oración en un salón social de un edificio de apartamentos. Esto fue el 16 de julio de 1999, asistieron 8 personas y con ellas iniciamos el primer grupo de oración que llamamos Lazos de Amor Mariano”, señala José Rodrigo quien ha comprometido su vida dice, en colaborar a la evangelización motivando a que las personas cultiven el “anhelo de santidad”, nutriéndose para ello -agrega- “con la oración, misa diaria, rezo diario del Rosario, tratando de ir al Santísimo todos los días, consagrándose a la Virgen”.

Desde aquél primer grupo de oración surgido el día de la Virgen del Carmen, se cuentan por cientos los hombres y mujeres de diversas diócesis de Colombia y otros países que se han unido a vivir la espiritualidad de este movimiento Lazos de Amor Mariano (www.lazosdeamormariano.net).

El objetivo, puntualiza José Rodrigo, es trabajar para “obtener las virtudes de humildad, pureza, obediencia, fidelidad, celo apostólico y entregar nuestros sacrificios por la conversión de las almas”.

 (Publicado previamente en www.carifilii.es, adaptado de Portaluz.org) 

En el vídeo, a partir del minuto 19 cuenta su visión del océano de misericordia


in



Jean-Pax Méfret, cantautor: «El martirio de los cristianos de Oriente podría anunciar el nuestro»

Escribe canciones sobre momentos de la historia de los que nadie habla

Jean-Pax Méfret, cantautor de todas las causas proscritas por la corrección política.
31 julio 2017


Jean-Pax Méfret es un periodista, escritor y autor-compositor-intérprete francés. Muchas de sus canciones tiene un fuerte contenido histórico y político. Recientemente ha publicado un álbum: Noun, dedicado a los cristianos de Oriente. Es el motivo por el que le entrevista Le Figaro:


-Usted ha dedicado su último disco, Noun, a los cristianos de Oriente. ¿Cree usted que es un tema del que no se habla lo suficiente?
-Sí, es un tema del que se habla muy poco. He dudado antes de hacer de él una canción. Pero cuando iba en mi coche hacia Fréjus, para dar un concierto, me surgió una melodia que grabé de inmediato en mi portátil. A título de anécdota, acabé de escribir los últimos versos en el camerino, pocos minutos antes de salir al escenario: "Mueren víctimas de su fe / caen bajo la sombra de la Cruz / en un silencio que hace dudar del corazón de los hombres".


»Después, decidí hacer un disco sobre el relato de los cristianos de Oriente. No es la primera vez que escribo un relato. En mi álbum Camerone añadí un libreto para explicar a los oyentes la historia de la batalla de Camarón (30 de abril de 1863). Imagine la escena: sesenta y dos legionarios resistieron ante dos mil mexicanos. Se negaron a rendirse y lucharon hasta el final. A partir de entonces, cada 30 de abril los legionarios celebran ese evento y alaban el valor de sus predecesores.

-En su época, la lucha era principalmente contra el comunismo. ¿Cuál es hoy la amenaza?
-Creo que el verdadero desafío es la fe. "¿Estamos condenados a sufrir la misma suerte que los cristianos de Oriente?"; ésta es la pregunta. Claramente, su martirio podría muy bien anunciar el nuestro. En todas parte del mundo los cristianos son perseguidos; por este motivo nosotros, que procedemos de una tradición y una cultura cristianas, debemos aceptar este reto. Es bastante más ambicioso que luchar contra el comunismo: nuestra época es mucho más exigente.

-¿El problema es el islamismo?
-Con ocasión de los atentados de Londres en 2005, compuse una canción que se titula Au nom d'Allah [En el nombre de Alá] en la que pregunto si el terrorismo islamista actúa verdaderamente en nombre de Alá. Cuando canté en el Olympia expliqué antes la historia del capitán Kheliff, un oficial de la Armada francesa, musulmán, que salvó a unos pieds noirs [franceses argelinos de origen europeo que tuvieron que abandonar este país tras la independencia en 1962] durante la masacre de Orán del 5 de julio de 1962, infringiendo las ordenes recibidas y que, una vez en Francia, creó una asociación de antiguos combatientes musulmanes. Es necesario saber que en Argelia todos los antiguos combatientes musulmanes fueron degollados por el FLN (Frente de Liberación Nacional) después de la independencia. Kheliff también creó una mezquita en Lyon.

Tras la masacre de Orán del 5 de julio de 1962, que produjo 700 muertos a manos de diversos grupos argelinos independentistas ante la pasividad de las fuerzas armadas francesas, a los pieds noirs les quedaron pocas dudas sobre si quedarse o irse. Cerca de 700.000 franceses de Argelia, cristianos, judíos y musulmanes, tuvieron que abandonar el lugar donde habían nacido tras la independencia acordada por De Gaulle en 1962.
»Esta historia, contada antes de En el nombre de Alá, quería evitar las confusiones que mi canción pudiera originar. Efectivamente, es necesario reconocer que hay una verdadera diversidad dentro del mundo musulmán y que esos jóvenes de las periferias, abandonados por la sociedad, no conocen de verdad su religión.

»Me cuesta trabajo ver algo "divino" en los actos terroristas, es algo más humano, más miserable. Pero, más pronto o más tarde, tendremos que enfrentarnos a esta violencia y tenemos la obligación de prepararnos. Símbolo de contraejemplo: Inglaterra y su modelo comunitarista eran una mina para los radicales.  De hecho, desde principios del siglo XXI hemos acaparado las portadas con esta amenaza islamista, alimentada por los predicadores que residen en Londres, que llamaban a la muerte de los cristianos. Ya entonces sentimos el peligro.

»Pero, paradójicamente, este odio hacia los cristianos nos recuerda también nuestra herencia, nuestra identidad cristiana, porque nos llaman "los cruzados". Nos obligan a volver a nuestras raíces. ¿Se olvidan de que antes de ser musulmán, Oriente, cuna del nacimiento de Cristo, era cristiano? Olvidamos demasiado a menudo que la primera iglesia fue construida en Antioquia. Como Argelia, que antes de las invasiones árabes era cristiana. San Agustín y su madre, la amada Mónica, son la imagen más perfecta de esto.

Concierto de Jean-Pax Méfret en Fréjus (la diócesis de monseñor Dominique Rey) el 27 de agosto de 2016, en favor de los cristianos perseguidos en Siria e Irak.

-Entre la Legión Extranjera, Argelia y los Chuanes [alzamiento católico y monárquico contra la Revolución Francesa], la Historia tiene un lugar muy importante en su obra. ¿Cuál es la unidad entre todos estos periodos evocados?
-Son causas de las que se habla poco y que forman un conjunto de valores. Yo soy pied-noir, la historia de Argelia me ha marcado. Mi música habla de los grandes acontecimientos de la historia, a veces olvidados: Budapest, el muro de Berlín... Creo que soy el único que canta inspirándome en estos hechos. Nadie más que yo, creo, ha cantado a la revolución húngara, por ejemplo.

»La originalidad de estos temas es también lo que me define. No compongo canciones de amor; y si hablo del amor, es para decir que no pertenezco al tipo de autores que cantan canciones de amor.

-¿Podemos decir que usted en un cantante de derechas?
-No sé si soy un cantante de derechas, pero ¡estoy seguro de que no soy un cantante de izquierdas! Ser de izquierdas para los cantantes es, a veces, una voluntad artística, es decir, un esnobismo. Es necesario saber que los cantantes del siglo pasado no eran automáticamente de izquierdas. De todas maneras, no seguían la moda actual de las "grandes conciencias"; sermoneaban mucho menos. Observen, por ejemplo, a Boris Vian... a mí me gusta mucho.

»Mi idea al principio no era ser compositor y cantante: mi objetivo era volver a poner de moda hechos que habían sido ignorados. No tengo un mensaje especial que lanzar, prefiero recordar las situaciones. No hay nada mejor que la canción para hacer descubrir esos hechos. He sabido que, recientemente, los alumnos de una periferia parisina que estaban visitando el museo del desembarco americano en Normandia cantaron mi canción sobre el desembarco: "Han caído del cielo como si tuvieran alas / trayendo un aire de libertad". Una canción se escucha siempre más fácilmente que una lección de historia, es otra manera de transmitir.

-Le llaman el cantante de Occidente... ¿Se ve usted así?
-Siempre me sorprende que me presenten como el cantante de Occidente cuando mi procedencia es oriental. En esa época era porque me oponía al comunismo. Hubiera sido mejor hablar de "cantante del mundo libre". No creo que haya habido combates más duros que los que oponían a los dos bloques durante la Guerra Fría. En Ni rouge ni mort [Ni rojo ni muerto] explico las razones de mi oposición al comunismo, el peligro que éste representaba, ¡sobre todo con la Armada roja! ¡Nos olvidamos que el muro de Berlín se había levantado con losas que podían ser derrumbadas en cualquier momento hacia el oeste para dejar pasar los tanques!

»La lucha contra el comunismo y los gulags era un verdadero combate por la libertad del que nadie hablaba. El partido comunista francés incluso recibía sus ordenes de Moscú. Por lo tanto, creo que es inaudito que siga habiendo en Francia un partido comunista. Rojos de vergüenza, ¡han cambiado de nombre en todas las naciones occidentales, menos en Francia!

-En muchos aspectos podemos decir que usted ha tenido múltiples vidas. ¿Cómo pasa uno de la OAS [Organisation de l'Armée secrète]  a periodista y cantante?
-Yo no estaba en la OAS. Cuando me arrestaron la OAS no existía. Pero podemos decir que yo estaba a favor de la Argelia francesa. Nací allí. Mis antepasados por parte de madre pertenecían al grupo de deportados de la primera comuna que, en 1848, fueron exiliados a la Cabilia. Argelia, en este aspecto, no era un país de derechas. Por otra parte, los bastiones comunistas, que dominaban los barrios populares, fueron los más virulentos durante la guerra de Argelia. Mi padre no era del país, había ido para preparar el desembarco americano. Trabajaba para la OSS, los servicios secretos americanos. Fue allí donde conoció a mi madre.

»Volviendo a mi vida, durante el golpe de estado de 1961, las autoridades tenían necesidad de voces para leer los mensajes y como yo tenía una voz radiofónica, me llamaron para trabajar en la RTF Télévision de Argel, que estaba a favor de la Argelia francesa. Por este motivo me acusaron de participar en un movimiento rebelde, de complot con los jefes de la insurrección, de atentado contra la autoridad del Estado: veintinueve cargos de acusación en total.

»Pasé directamente de los hermanos maristas a la prisión de Argel y, después, a la cárcel de la Santé en París. En total estuve encarcelado dieciocho meses. Fue una prueba muy dura para mi madre que, como muchos, compartía mis convicciones. Estoy convencido que no era una lucha política, en todo caso estaba circunscrita al anti-gaullismo. Hoy en día es una verdad reconocida y aceptada: De Gaulle traicionó a los pieds-noirs. No obstante, ya no me opongo al aura del general. Si en 1940 hubiera tenido 16 años, creo que me habría unido a la Resistencia.

»Por consiguiente, el problema no es político, el problema es Argelia. Comprenda usted, la gente sencillamente desea permanecer donde ha nacido. Al final era más una guerra franco-francesa que una guerra contra los argelinos. Las autoridades francesas se movilizaron en pleno contra los partidarios de una Argelia francesa. El 26 de marzo de 1962, el ejército francés no dudó en disparar a la multitud, dejando 80 muertos y 200 heridos, hecho que la gente, hoy en día, ha olvidado.

-¿Ha vuelto usted a Argelia?
-No, nunca, no me apetece. En una canción afirmo: Je viens d'un pays qui n'existe plus [Vengo de un país que ya no existe].

-¿Cómo entró en el mundo del periodismo?
-Empecé en el periódico Aurore, en la rúbrica Hechos Diversos; después pasé a la sección de asuntos extranjeros cubriendo los conflictos. Así pude comprender todas las guerras de América central y, después, las del Líbano. A continuación estuve trabajando un tiempo en Figaro Magazine dirigido por Louis Pauwels. ¡Una gran época! No concibo el periodismo como una educación del  pensamiento, sino más bien como una revelación de hechos sobre algunos asuntos. Tuve la oportunidad de tratar grandes asuntos como el arresto de Escobar. Mientras era periodista seguía cantando. Gané el gran premio del programa televisivo Âge tendre et tête de bois con la canción La Prière [La oración].

-En su último álbum hay una canción, La Force [La fuerza], dirigida a Cristo. ¿Qué lugar ocupa la fe en su vida y en su obra?
-Estoy convencido que creer en algo es primordial para la vida de un  hombre, es una fuerza interior. Creer en Cristo es aún más fuerte. Respecto a La Force, curiosamente nunca ha sido para mí una cuestión de honor escribir un canción dedicada a Cristo, pero surgió de manera natural. El título viene de la súplica "Dame la fuerza" que acompaña los cánticos en la Biblia. La lectura de la historia de los cristianos de Oriente y de la masacre de los armenios, de esas personas lanzadas a la muerte y que se aferran al pensamiento de Dios, me inspiraron esta canción.


»En un pasaje digo que veo "brillar las almas de los compañeros que murieron entre las llamas". Este paralelo me ha emocionado mucho, algo muy raro cuando se trata de mis escritos. De hecho, no tengo la costumbre de escuchar mis propias canciones. Sin embargo, ésta a veces la escucho.

-¿Cómo describiría usted la situación política actual en Francia?
-Creo que necesitamos un cambio, un cambio radical para darle la vuelta al orden establecido. Aplaudo esta renovación del personal político. Pero no creo en el milagro Macron, ni que su sistema dure. Lo que es exasperante hoy en día es la mediocridad de la derecha -la izquierda no es mejor-, pero me desespera ver una derecha sin puntos de referencia y pusilánime cuando llega el momento de defender sus ideas.

(Traducción de Helena Faccia Serrano, del original francés en Le Figaro)

(Lea más en nuestra sección Cristianos Perseguidos)



in



Palcos Insuspeitos

A paciência tem como alicerce a humildade, esta virtude dos que não se acham superiores a ninguém. Quando nos deparamos com um impaciente, destes que furam filas, é muito provável que estejamos diante de um cidadão que no mínimo pensa na linha do com-quem-você-pensa-que-está-falando. A paciência também requer caridade, como nas situações em que um atendente delonga-se por incompetência, ou insegurança. Tal pode-se dar, por exemplo, com um balconista novato. Aqueles que têm a virtude teologal da caridade encaram estes desafios à nossa fortaleza com maior facilidade. Os que não a têm agridem quando deveriam estimular, gritam quando deveriam calar ou irritam-se quando deveriam compadecer-se.

Como são admiráveis as pessoas humildes, não é mesmo? São verdadeiro perfume celestial que abranda o mau cheiro da vaidade, este verdadeiro gás sulfídrico do convívio. Como são extraordinárias as pessoas caridosas! São luz na escuridão da crueldade, no breu do egoísmo, são brisa em deserto inclemente. E como são cada vez mais raros os humildes! E agulhas no palheiro os caridosos! Como me dizia Seu Teobaldo, há muitos beneméritos entre nós que não chegam às alturas da caridade porque promovem tudo que fazem, divulgam com estardalhaço e trombetas suas boas ações e depois se comprazem com a admiração dos que os cercam.

Há muitos momentos e processos históricos dos quais ausentam-se por inteiro a humildade e a caridade. Casos exemplares são as guerras e suas versões internas, as revoluções. Quando a água represada dos reservatórios da paciência popular leva por diante tudo que encontra pela frente tão logo rompem-se as barragens da repressão policial, da confiança e do controle social. Não foi diferente nas duas mais famosas revoluções da história, a francesa e a russa. Ambas foram precedidas pelo esgotamento de modelos aristocráticos cujo apogeu ficara bem atrás. Foram o culminar de uma nobreza fraca e decadente. Nicolau II era bom e fraco, dominado pela esposa alemã Alexandra e dispersivo por conta da hemofilia de seu filho Alexei. A preocupação dos pais com este menino, herdeiro do trono, era tamanha que acabaram nas mãos do místico e devasso  Rasputin, um sujeito que só de ver dá vontade de sair correndo.

Na França, Luís XVI era ainda mais fraco e dominado pelos caprichos de Maria Antonieta, a austríaca que brincando de ser rainha abusou da sorte. Ler uma de suas biografias, como a escrita por Stephan Zweig, com a qual ora me deleito, é lenta tortura: ela faz tudo errado e só tem em mente divertir-se. Sua mãe, a imperatriz Maria Teresa, em momento algum deixa de repreendê-la, sem sucesso. Seus disparates e frivolidade são de tal ordem que o leitor tem vontade de sacudi-la se tal fosse possível. Maria Antonieta abusa do direito de errar e se isola, tanto da aristocracia quanto do povo, porque não tinha interesse em nada além de si mesma.

Passados mais de duzentos anos da revolução, Paris ainda é uma cidade com partes históricas simplesmente  extraordinárias. Entre o Jardim das Tulherias e a Champs-Elysées há uma praça denominada Place de la Concorde. Andar pela região, com o museu do Louvre á esquerda, entrar na Concorde, ter pela frente a Assembléia Nacional francesa e entrar á direita na Champs- Elysées, com o seu Arco do Triunfo ao fundo, é uma experiência que ninguém esquece. Pois bem, a Place de la Concorde foi no final do século XVIII rebatizada como Place de la Revolution. A estátua equestre de Luís XV foi apeada de sua base e a guilhotina montou acampamento.

Incansável, sua lâmina caiu sobre Luís XVI e Maria Antonieta, apenas para citar dois dos mais de mil degolados naquela área durante o período do terror revolucionário. Quem passa por ali e desconhece os detalhes da tão decantada revolução não faz a menor ideia de que naquele que é um dos pontos urbanísticos seguramente mais bonitos do mundo os homens tenham protagonizado tamanhos horrores. A grande maioria dos turistas que por lá andam, trôpegos de contentamento, extasiados pela beleza do conjunto, sequer sonham que numa determinada época a Place de la Concorde possa ter abrigado um circo de tamanha violência.

Como, em nome da razão e da liberdade, pode o homem promover tamanha crueldade? Não há bandeira que justifique. Aliás, comprovando que a violência gera violência, vários dos líderes revolucionários tiveram eles próprios a cabeça decepada, como Danton e Robespierre. Pobres humanos, só nos fazem concluir: como Deus, Todo Poderoso, é paciente com a humanidade.

J. B. Teixeira



É Tempo de Dar Tempo ao Tempo

Chegou o tempo de férias. Torna-se necessário dar mais atenção à família e aos amigos: um tempo de qualidade, sem pressas, de modo a podermos usufruir plenamente desta oportunidade. O trabalho agora pode esperar, pelo menos para a maior parte dos portugueses, que consegue ter alguns dias de férias.

Os incêndios que deflagraram e ainda deflagram pelo país, enchem-nos de compaixão por esta ocorrência tão grave, de algum modo inusitada. Que a dor e a perda que as famílias vivenciam, possam de algum modo, servir de mote para melhorar estes serviços, acreditando assim, que a morte dos seus entes queridos não tenha sido em vão. A nível nacional e mesmo internacional aguarda-se, dando tempo ao tempo, que se divulguem os resultados das investigações e que se tomem medidas preventivas, para que um acontecimento desta natureza, não possa voltar a ensombrar o futuro da nação e dos seus habitantes.

Mas a vida continua… Há uns dias atrás encontrava-me em amena conversa com uma sobrinha a propósito do aniversário do seu filho mais novo, que teve lugar no passado fim-de-semana. Estava convidada para passar esse fim-de-semana em sua casa, na companhia da minha neta, da mesma idade do meu sobrinho. Foi mesmo uma grande festa. Todos se encontravam disponíveis para participar no aniversário, contribuindo com a sua ajuda, ou em alternativa, com um doce ou salgado da sua especialidade. O ambiente era descontraído, já de férias. Houve almoço de família, lanche na piscina para as crianças e à noite um jantar com amigos e família. Durante todo o dia questionava como seria possível albergar tantos convidados, servir tantas refeições. Queria muito aprender como esta nova geração conseguia levar em frente um acontecimento destes.

Recordei que também o tinha feito há muitos anos atrás para os meus filhos na quinta. Mas eram outros tempos. Havia pessoal de apoio, família, amigos e umas cozinheiras fantásticas. Também as amigas levavam um doce da sua especialidade. À noite cantava-se o fado. Lembro-me das crianças a correr por todo o lado: havia muita alegria e amizade. Os pais, os caseiros, ajudavam a tomar conta das crianças, que circulavam livremente observando os animais, as árvores de fruto, a natureza... Havia um grande respeito pelos mais velhos, acatando os seus conselhos. Lembro-me que um dos meus filhos, o aniversariante, ter referido que não se esquecia da imagem de um tio-avô, a chegar à quinta, de chapéu e de o saudar e de lhe entregar uma nota com um valor elevado. Meu Deus, infelizmente, a maior parte dos participantes destes eventos já não se encontra entre nós. É a vida a passar… Por isso mesmo, estes momentos são muito bons, as memórias ficam.

Voltemos ao aniversário do meu sobrinho. Quando na véspera cheguei ao final da tarde, questionei a minha sobrinha sobre se precisava de ajuda. Mostrou-me uma lista enorme de coisas para organizar. Fiquei algo preocupada, sem contudo, o demonstrar. Como seria possível, sem apoio, preparar tudo. Muito descontraída referiu: “Tudo se faz. Todos ajudam. Só é família e amigos, logo, se algo correr menos bem, todos apoiam”. Fiquei a tomar conta das crianças enquanto a sobrinha foi às compras e fazer as respetivas encomendas de bolos e salgados. O jantar desse dia também seria encomendado. Mas o tempo passou e as crianças pediram o jantar. Fui ao frigorífico. Havia mini-pizzas com que todos se deliciam. O melhor mesmo era improvisar um jantar mais leve. Mas, o forno avariou. Saltou o botão. Fiquei ainda mais preocupada. Bacalhau com natas, bolos, carne assada, tudo pratos de forno. Resolvi avisar a minha sobrinha que veio de imediato desdramatizando. O marido resolveria o problema quando chegasse. Já tinha acontecido anteriormente. Entretanto saiu e foi buscar hamburgers e nugguets a um estabelecimento de fast-food situado perto. Para as crianças constituiu uma alegria enorme. Colocámos a mesa entretanto. E foi uma verdadeira festa. Enquanto saboreava um hamburger de frango, esquecendo a dieta e pensando: “para grandes males, grandes remédios, temos de nos adequar ao tempo que nos foi dado viver. Quero reinventar-me a mim própria, adequar-me às novas realidades, se possível, junto de pessoas positivas”.

No dia seguinte encontrei-me a fazer gelatina de morango, colocá-la em copos de plástico pequenos, já com uma colher, para facilitar às crianças na piscina. Não sei quantos “fogos” teremos apagado durante este dia, as inúmeras vezes que coloquei a mesa, mas, na realidade, tudo correu pelo melhor, parecendo acontecer um verdadeiro milagre. E houve muitos banhos, muita brincadeira, muitas conversas, muita alegria, muita amizade. Todos ajudavam. Pareciam convidados e, em simultâneo, os organizadores. Surpreendida ouvi alguém comentar: “É uma heroína!”. Interiormente, pensei: “Não, sou só uma avó, tia-avó, tia e amiga, que pretende ajudar, e que também investe em si própria e na família”. Este, era o momento, de dar tempo ao tempo, para que as recordações e as vivências possam continuar a existir, adequadas às novas realidades. Termino recordando que a Virgem nos ensina a ser a causa da alegria e da paz (Causa nostrae laetitiae, Regina pacis) com os outros, no seio da família, no trabalho, na relação com as pessoas com quem convivemos.

Aproveitemos, pois, o tempo mais descontraído de férias para nos reaproximarmos da família e dos amigos.

Maria Helena Paes



Os meios digitais: riscos e oportunidades

Sabemos que os meios digitais não são bons nem são maus em si, se trazem vantagens ou desvantagens, mas a questão não estará tanto nos meios, mas sim na forma como são usados. Não será tão importante saber o que eles fazem de nós, mas sim saber como nos servimos deles. Quantas horas os usamos, o que fazemos, com que finalidade, como se usam, que conteúdos consumimos, em que contexto e com quem? E qual o impacto dos media nas vidas das crianças e as consequências para o seu desenvolvimento psíquico, emotivo, neurológico, afectivo e cognitivo? Uma coisa é certa: as crianças passam hoje muito tempo a olhar para os ecrãs, não apenas da televisão, mas também do telemóvel, do computador, do tablet.

Será que conseguimos perceber o tipo de pessoas com quem elas podem contactar, os mundos que podem visitar, os sítios que podem explorar, a navegação que podem fazer, tantas vezes sem filtro e sem rumo, tantas vezes sem terem presente o que está por detrás dos ecrãs, sem conhecerem os riscos e os perigos que podem estar à espreita e, seguramente, serão muitos e nada pacíficos?

Os meios digitais hoje fazem parte da nossa sociedade, do nosso quotidiano e dificilmente conseguimos imaginar a nossa vida sem eles, pelo que mais do que negá-los ou proibi-los, o mais importante é aprender a usá-los e a gerir a sua utilidade.

Terá de ser na família que este trabalho pode ser feito. Em muitos casos, é necessário começar pelas práticas dos próprios pais, por vezes mais dependentes das tecnologias do que os filhos. Os pais funcionam como modelo e como exemplo para as crianças. Quando são pequenas, elas tendem a repetir e a reproduzir o que veem os seus pais fazerem e, no que diz respeito às práticas mediáticas, é também isso que os estudos têm mostrado. Como podem, por exemplo, os pais querer que os filhos não usem o telemóvel às refeições, quando são eles os primeiros a usá-los, num momento que deveria ser de encontro da família, de conversa, de contar o que se passou na escola, com os amigos, no trabalho, com os colegas?

A propósito da falta de diálogo no seio da família, não podemos continuar a culpar os media pelo que acontece, é altura de olharmos para o interior da nossa própria família, para as pessoas que ali habitam e decidir então o que queremos – se são os media que controlam as nossas vidas, as nossas relações com os outros, se dominam o tempo de desfrutarmos da presença uns dos outros, de brincar com as crianças, ou se somos nós que controlamos os media e exercemos o poder de decidir quando devemos estar conectados e quando temos de estar offline?

A tecnologia encanta de tal maneira, que as pessoas, em vez de estarem concentrados na festa, no passeio, ou na brincadeira, estão mais preocupados em registar o momento com os seus dispositivos. Parece interessar mais a representação da fuga do tempo, do que fruir o momento em si. É a euforia do registo do volátil que não chegou a ser vivido, mas acaba por ir parar a alguma rede social, exibindo assim o espaço privado e íntimo da família num espaço que é público…

“Alone Together”  “Sozinhos Juntos”- é uma imagem que se vai tornando vulgar em qualquer local em que estejamos. Juntos mas cada um afastado dos outros, obcecado pelo seu ecrã para o qual não consegue deixar de olhar e mexer.

Se as famílias têm hoje novas formas de estar, de se relacionar e podem partilhar, entre si e com os outros, muito mais facilmente, mensagens, notícias, vídeos, fotografias e jogos, também é um facto que com a presença destes meios, está-se em e com a família, mas também em muito outros lados ao mesmo tempo, há dispersão, há alheamento e a atenção está muitas vezes mais centrada nos ecrãs do que nas pessoas.

Parece evidente que os meios digitais têm hoje uma presença forte nos quotidianos das crianças, desde muito pequenas, assumindo um importante papel no seu processo de socialização. Têm também um forte impacto no seu desenvolvimento, na construção da sua identidade e do seu sistema de valores, na perceção dos outros e do mundo, embora esse impacto dependa de um conjunto de fatores, como sejam, a idade e as características psicossociais das crianças e o seu contexto sociocultural, como referido anteriormente. Mas este impacto pode ser trabalhado, podendo os pais, educadores e professores, e outros agentes educativos, contribuir para que seja positivo, fomentando uma relação saudável com os media.

A este trabalho chamamos “Educação ou Literacia para os Media”, com o qual se pretende capacitar os públicos dos media, neste caso as crianças, para saber lidar de forma crítica com eles. Aprender a ler, a analisar as várias mensagens e conteúdos que consomem, bem como aprender a criar e a produzir conteúdos, aprender a estar, a comunicar e a participar online, são hoje competências essenciais que as crianças devem desenvolver enquanto cidadãos do século XXI.

Excelentes para aproximar e unir quem está longe e separado e não para dividir, separar e desunir quem está junto é a conclusão que podemos tirar das novas tecnologias.

Use-as moderadamente e tenha umas felizes férias na companhia real e presente dos seus eleitos.

Maria Susana Mexia



Fotografias para novo projeto inovador LUSA/GOOGLE



A Agência Lusa está a desenvolver, em parceria com a Google, um projeto chamado Carta de Portugal que consiste em reunir o máximo de informação possível sobre os 308 concelhos do nosso país (das escolas e universidades às farmácias, centros de saúde e hospitais, passando pelos museus, monumentos, tribunais, correios, bombeiros, polícia e muitas mais entidades).


O objetivo é retratar cada concelho de Portugal num projeto interativo, que será inserido no novo site da Lusa a partir de outubro, com descrições, contactos, moradas, promoção de gastronomia e muitos outros conteúdos. Este apresentará, de forma simples e gratuita, informação municipal de interesse ao cidadão, incluindo imagens e vídeos. Também teremos as notícias da Lusa associadas a cada concelho e a agenda regional, para se saber tudo o que vai acontecer (seja a nível turístico, desportivo, político ou outro).

A colaboração das entidades - quer através do fornecimento de dados ou sugestões - é fundamental para o sucesso deste projeto pioneiro, que promete cativar não só os habitantes locais, como também os turistas.


Coordenadoras:


Filipa Rosa
(Projeto Google)
Tel: 918498880
e-mail: frosa@lusa.pt
LUSA - Agência de Noticias de Portugal, SA


Francisca Sottomayor
(Projeto Google)
Tel: 931805756
LUSA - Agência de Noticias de Portugal, SA



IV Encontro de Centros de Documentação de Museus dia 27 Outubro de 2017




Nova capela do campo do Acanac é dedicada a Nossa Senhora de Fátima

Foi hoje dedicado o altar e benzida a nova capela do Campo Nacional de Atividades Escutistas (CNAE) em Idanha-a-Nova. O templo é dedicado a Nossa Senhora de Fátima e a celebração litúrgica foi presidida por D. Antonino Dias, Bispo da Diocese de Portalegre-Castelo Branco.

20170731_IB_MISSA_MANHA_24

A nova capela de Nossa Senhora de Fátima situa-se numa elevação do CNAE, que acolhe o 23.º Acanac. A forma de uma grande tenda define a imagem deste espaço, que vai acolher as celebrações litúrgicas deste acampamento nacional.

O Pe. Luís Marinho destacou o porquê desta opção arquitetónica. “Tem a ver com a vivência escutista, com a tenda. A forma evoca a tenda escutista, mas também a tenda do Povo de Israel que é tenda do encontro”.

O Assistente Nacional do Corpo Nacional de Escutas (CNE) acrescenta que o local onde está edificada a capela “é um lugar de passagem dos elementos das várias Secções, onde quisemos criar não só um espaço de celebrações, mas também de silêncio, de oração pessoal e de celebração do sacramento da Reconciliação” disse o Pe. Luís Marinho.

20170731_rp_dedicacao_capela_0082

O novo templo assenta numa estrutura de madeira em forma de grande tenda, protegida por um revestimento de chapas de alumínio escuro. O interior tem também uma importante dimensão simbólica, onde o Pe. Luís Marinho destaca a água e a pedra. “A fonte batismal, que está à entrada da capela, jorra água que se vai ligar à pedra do altar onde se celebra o sacramento da Eucaristia”.

Capela vai receber imagem de Nossa Senhora de Fátima

A dedicação do altar e da capela foi presidida por D. Antonino Dias, o Bispo de Portalegre-Castelo Branco, cuja diocese acolhe este espaço do CNAE. D. Antonino realçou a importância do novo espaço, afirmando que é um ponto de referência neste campo, e a sua estética é um elemento facilitador para o recolhimento e o silêncio. “Como diz além, a paz que não temos está no silêncio que não fazemos, e é importante um espaço como este que convida os jovens ao recolhimento e à contemplação”.


Esta capela é uma obra dos arquitetos Helena Vieira e Pedro Ferreira, antigos escuteiros, o que facilitou a concretização do projeto. Helena Vieira destaca que, para além da tenda, as formas apontam para “o próprio lenço escutista e a forma como este assenta no pescoço…”. A autora sublinha também os sentimentos potenciados pelo lugar. “A proteção, o encontro, o silêncio perante a paisagem, tudo é espetacular perante este sistema de vistas tão interessante”.

DSC_0291

Pedro Ferreira, que partilha a autoria do projeto, valoriza o ambiente mais intimista do templo sempre que a noite cai. “A luz, que parte de baixo e se projeta no conjunto e na grande cruz, valoriza estas dimensões”.

O novo templo é dedicado a Nossa Senhora de Fátima, e vai receber ainda hoje, a visita da imagem peregrina. O Santuário de Fátima ofereceu uma imagem de Nossa Senhora que ficará neste templo.

Durante este 23.º Acanac, todas as manhãs, pelas 7:00 horas e ao fim do dia, à meia noite, será celebrada eucaristia neste espaço. Durante o dia, diversos sacerdotes, que colaboram com a Assistência Espiritual, estarão disponíveis para o sacramento da Reconciliação ou para acolher quem chega.

Texto: Henrique Matos

Fotos: Inês Baptista e Ricardo Perna


in



Escuteiros: «ACANAC» 2017 vai ser «maior» acampamento de sempre em Portugal


Iniciativa começa hoje em Idanha-a-Nova e recebe visita do presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

Lisboa, 31 jul 2017 (Ecclesia) – O Corpo Nacional de Escutas (CNE) anunciou que o ACANAC, o seu acampamento nacional de 2017, vai ser o “maior de sempre” com “mais de 21 mil escuteiros” reunidos a partir de hoje até 6 de agosto, em Idanha-a-Nova.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o CNE informa que o presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, vai visitar hoje o ACANAC, em Idanha-a-Nova.

O 23.º acampamento nacional está a mobilizar escuteiros de Portugal e mais nove países, entre eles a Nigéria e Israel.

‘Abraça o Futuro’ é o lema do acampamento que pretende “ativar” as crianças, jovens e adultos do movimento “para a defesa da casa comum”, e tem no horizonte o “objetivo final” do escutismo que é “deixar o mundo um pouco melhor” do que encontraram.

A cerimónia oficial de abertura de campo está marcada para hoje às 21h30 e os participantes vão receber a imagem da Virgem Peregrina de Fátima que, “pela primeira vez”, vai ao encontro dos escuteiros.

O CNE informa que o Santuário de Fátima ofereceu uma imagem que vai ficar em permanência na Capela do ACANAC e que será dedicada em cerimónia própria.

Do programa destaca-se a tertúlia entre o secretário de Estado da Educação, João Costa, e o presidente do Comité Mundial do Movimento Escutista, o português João Armando Gonçalves, pelas 21h30 de 3 de agosto.

O penúltimo dia de acampamento nacional, dia 5 de agosto, é o Dia de Eucaristia com quatro celebrações, uma por cada secção, celebrando-se às 22h00 a festa de encerramento.

O 23.º acampamento nacional do Corpo Nacional de Escutas vai ter 21 mil e 500 participantes - 3800 adultos voluntários e 185 estrangeiros.

400 autocarros de todo o país rumam a Idanha-a-Nova, onde se vão instalar 4 mil tendas, 300 workshops, 320 canoas e cinco mil coletes de salvação, dois supermercados e dois restaurantes e uma arena para 25000 pessoas.

Em comunicado, o CNE, realça que vão ser “várias as atividades e jogos” ao longo de sete dias de ACANAC que vão permitir aos escuteiros “cimentar a sua formação” e vivenciar o grande objetivo do encontro, como “raides, atividades náuticas, desportos diversos, atividades socioeducativas, ações de serviço com a comunidade local, intercâmbio e cooperação internacional e educação para a Paz.”

A iniciativa, que decorre até 6 de agosto, vai estar no centro das emissões do Programa ECCLESIA na Antena 1 da rádio pública entre segunda e sexta-feira, pelas 22h45.

A primeira edição do ACANAC realizou-se durante nove dias, em 1926, em Aljubarrota.

CB/OC
in



Escutismo: Mais de 22 mil escuteiros desafiados a «Abraçar o Futuro»

Acampamento nacional arranca em Idanha-a-Nova com visita inédita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima

Lisboa, 31 jul 2017 (Ecclesia) – O Corpo Nacional de Escutas (CNE) dinamiza a partir de hoje o seu acampamento nacional – ACANAC - onde mais de 22 mil escuteiros vão ser desafiados a ‘Abraçar o Futuro’ através de workshops, jogos, celebrações, missões e convívio.

“A proposta é que cada um seja capaz, numa atitude própria do jovem, própria da criança, na sua ação quotidiana e diária estar mais empenhado com a construção de um mundo mais feliz, mais alegre, uma comunidade mais sustentável, amiga do ambiente”, disse o chefe nacional do CNE à Agência ECCLESIA.

Ivo Faria realça que o tema do ACANAC 2017 ‘Abraça o Futuro’ é os escuteiros estarem “comprometidos com o amanhã”, serem “socialmente mais responsáveis”.

O acampamento nacional dos escuteiros católicos começa oficialmente hoje, mas as crianças e jovens já começaram a chegar este domingo ao Campo Nacional de Atividades Escutistas (CNAE), em Idanha-a-Nova, e vão ser mais de 22 mil participantes envolvidos em atividades até 6 de agosto.

O responsável nacional comenta que esta é “a maior atividade que alguma vez” realizada em Portugal em acampamento.

“É desafiante: a organização do acampamento, que começou a trabalhar no ano passado, está dividida por áreas de trabalho, quer nos aspetos mais logísticos e de suporte, quer também na parte mais importante que é a animação”, desenvolve Ivo Faria.

Beatriz Chambel, do Agrupamento 890, da Região de Évora, participa pela segunda vez no ACANAC e há cinco anos ainda estava no primeiro ano nos escuteiros.

Com 13 anos viveu uma “experiência completamente nova”, porque “nunca” tinha estado numa atividade de “tão grande dimensão”.

“Não estava à espera de sair de lá tão feliz, e experienciei coisas que nunca tinha experienciado, muitas atividades diversificadas”, destaca.

Participar no ACANAC é um objetivo de cada escuteiro no início de cada que há um acampamento nacional: “Temos o objetivo de ir, trabalhar para chegar lá, aproveitarmos e desfrutar da experiência ao máximo”.

Sobre o tema ‘Abraçar o futuro’, com preocupações ambientais e de sustentabilidade, Beatriz Chambel refere que é diferente ter ideia de que “é preciso ter cuidado com o desperdício” do que “pôr em prática” essa convicção.

“É isso que tentamos fazer nos escuteiros pôr em prática aquilo que em teoria nos dizem que é o mais correto”, acrescenta a escuteira do Agrupamento 890, da Região de Évora.

Ivo Faria refere que os participantes, em campo, estão divididos em quatro grupos etários - dos seis aos 10 anos, lobitos; 10-14 exploradores/moços; 14-18 pioneiros/marinheiros, 18-22, caminheiros/companheiros – e cada um tem “oferta adequada à idade e ao imaginário”.

Hoje, a partir das 17h00, o presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, vai visitar o ACANAC e do programa destaca-se também a tertúlia entre o secretário de Estado da Educação, João Costa, e o presidente do Comité Mundial do Movimento Escutista, o português João Armando Gonçalves, pelas 21h30 de 3 de agosto.

O penúltimo dia de acampamento nacional, 5 de agosto, é o Dia de Eucaristia com celebrações em cada secção e às 22h00 começa a festa de encerramento.

A Imagem da Virgem Peregrina de Fátima vai estar a acompanhar o 23.º acampamento nacional de escuteiros; hoje, às 21h30, está prevista uma celebração de abertura do campo com a presença do padre José Nuno Silva, capelão e responsável pela pastoral jovem do Santuário de Fátima.

“É a primeira vez que a Imagem da Virgem Peregrina de Fátima se desloca a um acampamento nacional de escuteiros e para a transportar os escuteiros construíram um andor de troncos de madeira entrelaçados com cordas”, adianta o Santuário de Fátima.

ACANAC 2017 vai estar no centro das emissões do Programa ECCLESIA na Antena 1 da rádio pública, entre hoje e sexta-feira, pelas 22h45.

A Agência ECCLESIA vai acompanhar o quotidiano do campo com reportagens dos participantes, através das suas contas nas redes sociais Instagram e Facebook.

PR/CB/OC
in