quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Pelo desenvolvimento

Depois de algumas semanas de silêncio chego ao seu encontro com propostas a conferir hoje no portal da agência e nas diferentes plataformas da Ecclesia onde as notícias da Igreja católica se vão tornando públicas.
Pastoral social encerra hoje a sua jornada. No site vamos dar-lhe conta da reflexão que juntou em Fátima agentes pastorais e demais interessados no tema da Família, decorrente da Exortação Apostólica «Amoris Laetitia».
Neste dia preparamos o semanário digital da Ecclesia com reportagens sobre o início de ano escolar. Vamos contar-lhe histórias com rosto que nos chegam protagonizadas por jovens da diocese de Portalegre – Castelo Branco ou pela voz da responsável da casa de acolhimento para crianças e jovens refugiados que, como tantos outros, iniciaram as suas aulas mas num país diferente. Vale a pena conhecer estas vidas contadas por Dora Estoura, a responsável que o programa de rádio entrevistou e que hoje pode escutar na antena 1.

Antes na rtp2 pode acompanhar a conversa com Patrícia Fonseca e Rita Leote da Plataforma portuguesa das ONGD, sobre a petição para criar o Dia Nacional do Desenvolvimento Global.
Mas há mais para conferir em www.agencia.ecclesia.pt
Encontramo-nos lá?
Lígia Silveira

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Fue secuestrada por Boko Haram y violada durante dos años, pero no renegó de Cristo: «He perdonado»

19 septiembre 2017


Rebeca ha contado su testimonio a Ayuda a
la Iglesia Necesitada
Rebeca Bitrus es una de las miles de víctimas del grupo terrorista islámico Boko Haram. Esta joven de 29 años estuvo dos años a merced de los yihadistas siendo objeto de violaciones y palizas constantes, sufriendo todo tipo de abusos y realizando trabajos forzados. Otras chicas secuestradas como ella le recomendaban que se convirtiera al islam para poder sobrevivir pero ella nunca accedió a lo que los yihadistas más deseaban. Nunca apostató de su fe, más bien se reafirmó en su fe cristiana.

Rebeca ha participado en la presentación de la campaña de Ayuda a la Iglesia Necesitada “Libres ante el terror”, que tiene como fin apoyar a las víctimas de este grupo terrorista en el norte de Nigeria. El testimonio de Rebeca, que recoge la fundación, muestra perfectamente la ayuda que necesitan los cristianos de aquella zona:

Dos años secuestrada por Boko Haram
Estuvo dos años secuestrada por Boko Haram.  Huyó de su casa en Baga en el norte del país cuando llegaron los terroristas junto a su marido Bitrus y sus dos hijos (Zacarías de tres años y Jonatán de uno). Entonces, estaba embarazada de su tercer niño. Corrían juntos en su huida, pero ella no podían seguir el ritmo.  El matrimonio decidió que se tenían que separar porque Boko Haram asesina a los hombres y a las mujeres las secuestra. Bitrus salió en estampida y Rebeca fue alcanzada por los terroristas junto a sus hijos.

Rebeca, junto a su marido y sus hijos. Cristóbal, el más pequeño, es fruto de la violación de un terrorista
La llevaron junto al resto de mujeres cristianas de Maiduguri a un campo de entrenamiento. Allí tenían que trabajar de sol a sol y se convertían en esclavas sexuales de los terroristas.

Rebeca se negó radicalmente a entregar su cuerpo y a renegar de su Señor Jesucristo. Esto le costó que le rompieran las muelas por las palizas a las que fue sometida. Así un mes, dos, tres… un año y hasta dos años que duró su secuestro. Perdió al hijo que esperaba.

"Te quiero, Señor Jesús"
La presión física y psicológica a la que la sometieron los terroristas fue enorme. Le obligaban a renegar de Jesús y a recitar el Corán cinco veces al día. Cada vez que se inclinaba de rodillas hacia La Meca, ella en oraba en su interior: “En el nombre de Jesús”; “Te quiero, Señor Jesús”.

La forzaban a rezar el rosario musulmán y en cada cuenta ella repetía un Avemaría a la Virgen. No lograron someterla. Los hombres de Boko Haram le obligaban a tener relaciones y como se resistía con todas sus fuerzas, le arrebataron a su hijo menor,  Jonatán, y lo lanzaron al lago Chad donde murió ahogado.

Bautizo de Cristóbal, con la presencia de dos obispos,entre ellos monseñor Doeme
Rota de dolor, se veía viuda, con el vacío de haber perdido un hijo y con la noticia del asesinato de mayor. Sin embargo, su fe la mantuvo insobornable e inquebrantable. En pie. Libre.

Rebeca: nueva vida en Jesús
Finalmente, Rebeca fue violada y se quedó embarazada de un terrorista. Y dió a luz sola al hijo de un miliciano de Boko Haram. Aunque resistía a ese infierno, ella quería huir y un día vió la posibilidad de escapar. Salió corriendo con su hijo y el recién nacido. Estuvo semanas perdida, desorientada y sin comida. Logró llegar al pueblo y se reencontró con su marido.

Gracias a su comunidad y a la iglesia local, el matrimonio ha podido hacer un camino y volver a unirse. Su marido, Bitrus ha logrado aceptar al hijo que nació de la violación de Rebeca. Ahora viven en un pobre campo de desplazados en Maiduguri junto a otras 25 familias.

"He perdonado a los terroristas", afirma convencida Rebeca.



in



Tras casi morir en un entrenamiento conoció a Dios y ahora abandona su carrera para ser sacerdote

Grant Aasen afirma que su objetivo es «acercar a la gente a Cristo»

Grant se acercó a la fe tras el grave accidente que sufrió en un entrenamiento, y cuyas secuelas son visibles todavía hoy
20 septiembre 2017


Estaba llamado a ser un jugador de fútbol americano profesional en la NFL, lo que se traduciría en fama, reconocimiento y dinero. Sin embargo, decidió renunciar esta prometedora carrera para entregarse a Cristo a través del sacerdocio. Este curso ingresa en el seminario de Notre Dame en Nueva Orleans.

Se trata de Grant Aasen, estudiante y jugador de la Universidad de Georgia Tech, que en mayo se graduó en ingeniería industrial y que ha renunciado a su último año draft,cuando los equipos profesionales pueden elegirle para la liga profesional. Todo comenzó con un accidente que sufrió durante un entrenamiento en el que casi pierde la vida. Ahí descubrió a Cristo y a la Iglesia y nunca más se ha separado de este camino.

No era religioso hasta que casi pierde la vida
En distintas entrevistas en Catholic News Service National Catholic Register, recuerda que nunca se había tomado en serio su catolicismo y pese que acudía desde niño a misa con sus padres “ni siquiera conocía las diferencias entre catolicismo y el protestantismo. No me importaba mucho la religión hasta después de un accidente en mi segundo año de Secundaria”. Antes, sus únicas preocupaciones eran el fútbol americano, sus amigos y los estudios.

Grant se enamoró de Cristo hasta tal punto de dejarlo todo por Él / Foto cortesía de Grant Aasen

Sin embargo, todo cambió durante un entrenamiento. Aasen era corredor, uno de los principales puestos ofensivos pero que más riesgos conlleva, y fue bloqueado de manera brutal por un jugador universitario, ahora profesional, de más de 2 metros de altura y 120 kilos, apodado la "pesadilla nigeriana". Se golpeó la cabeza fuertemente y se retiró del entrenamiento. Al siguiente decidió jugar el partido pero pronto se sintió mareado y al momento se desmayó.

Un derrame cerebral del que se recuperó casi de manera "milagrosa"
Sufría un derrame cerebral severo. Rápidamente un helicóptero medicalizado llegó al campo y le trasladó a un hospital en Atlanta. Fue intervenido y tuvieron que abrirle el cráneo. Estuvo a punto de morir ese día. Pero su recuperación fue mucho más rápido de lo previsto, lo que él achaca a la oración.

Aquel accidente le hizo mirar a la religión que le habían inculcado sus padres. Se involucró en grupos de atletas cristianos y de oración. Pero lo hacía de una manera superficial. Pero este pequeño cambio y su interés por Dios llamó la atención de su hermano mayor. Y en la universidad de Georgia Tech se juntó con chicos católicos, lo que ayudó mucho a Grant cuando él llegó al centro más adelante.

Su hermano y sus amigos le enseñaron "qué era ser católico"
“Mi hermano Davis y sus amigos me contaron y me mostraron lo que era ser católico, por qué la confesión y la misa son importantes, qué papel juega la Virgen en nuestras vidas espirituales, por qué hay que confiar en la Iglesia para tomar decisiones correctas...”, cuenta este candidato al sacerdocio.

Y de hecho informa que esta evangelización en el campus ha provocado que 10 graduados en esta universidad están estudiando en estos momentos en el seminario de Notre Dame.


El discernimiento sobre ser sacerdote o jugador
Este encuentro con Dios le fue despertando la vocación religiosa mientras seguía jugando y destacando en la universidad como jugador de fútbol. Grant cita la confesión y la misa como puntos clave en su proceso de discernimiento. “Estar en estado de gracia es el requisito primordial para tomar cualquier tipo de decisión vocacional clara. Después de esto, o asociado, están la devoción mariana, la adoración eucarística y la dirección espiritual”, asegura.

“Había tiempos de certeza del 100% de que debía ser un sacerdote, pero luego tiempos de duda. Sin embargo, esos momentos dudosos fueron cuando estaba tan ocupado con la universidad que no estaba rezando tanto como lo hago normalmente. No me estaba comunicando con Jesucristo, el Sumo Sacerdote, de manera suficiente, por lo que mi entrada en su sacerdocio necesariamente parecería menos segura”, confiesa.

Ser sacerdote para evangelizar
La decisión parecía clara pero dar el siguiente paso le costó mucho sufrimiento pues significa que debería abandonar su otra gran pasión, el fútbol americano y una posible carrera exitosa. Finalmente, decidió decírselo a sus compañeros y entrenadores y su decisión fue acogida y comprendida.

Incluso durante estos años de universidad, varios compañeros se han convertido al catolicismo, algunos incluso con toda su familia, gracias a conocer a Grant. “Quiero acercar a la gente a Cristo, y el sacerdocio me parece la mejor manera de hacer eso. El sacerdocio es una cosa asombrosa. Si esa es mi vocación, esa será mi llamada, igual que otro joven puede ser llamado al matrimonio”.



in



San Mateo, 21 de septiembre

Apóstol y evangelista, primero en redactar la vida de Cristo

San Mateo (Wiki commons)
San Mateo (Wiki Commons)
“Apóstol y evangelista, primero en redactar la vida de Cristo. El llamamiento de este publicano y recaudador de impuestos es otro signo de esperanza para quienes se juzgan indignos de esta gracia”
Leví, el hijo de Alfeo, fue uno de los privilegiados a los que Cristo llamó. Nunca hubiera pensado este galileo, publicano y recaudador de impuestos al servicio del imperio romano, que Cristo iba a fijarse en él cuando ejercía su oficio. Pero así fue. Lo hizo con otros discípulos y sigue procediendo de igual modo con aquellos a los que elige en cualquier momento y situación. No hay mirada que penetre tan hondamente como la divina; traspasa todas las fibras de nuestro ser. Mateo no se resistió a ella. Abandonando lo que poseía, rompió drásticamente con su presente sin pensar en el futuro. No sabemos si le costó, pero seguramente no, porque una seducción tal pone alas en el corazón. Desde luego, siguió al Mesías ipso facto permaneciendo a su lado en todo momento; igualaba a otros apóstoles con su inmediatez en la respuesta. Dejándose elegir por Él, recibió la inmensa gracia de empaparse de su amor, de ser directo acreedor de sus excelsos e incomparables matices, testigo de cómo hablaba, caminaba, actuaba…, un sueño compartido por los innumerables hombres y mujeres enamorados de Cristo que habrían dado todo por haberle conocido.
Su llamamiento no pasó desapercibido para los escribas y fariseos, quienes, viendo la paja en los ojos ajenos y no la viga en los suyos, seguían los pasos del Redentor maliciosamente, con la intención de sorprenderle en algún desliz que permitiera desacreditarle ante el pueblo. La elección de Mateo por parte de Cristo fue recibida por ellos como una ignominia toda vez que el oficio desempeñado por el evangelista recaudando tributos para el imperio dominador era tomado como una afrenta al pueblo de Israel; se le consideraría una persona sin escrúpulos, afín al opresor. Pero él se mostró ante el Salvador con toda sencillez. Sin modificar inicialmente sus esquemas de vida, convocó a su mesa a los conocidos –sus amigos de siempre, podríamos decir–, para agasajarlos. Cursó la misma invitación para Cristo aunque su casa estuviese atestada de personas de dudosa conducta. Además, con ello ponía un nítido signo apostólico en este primer momento; franqueaba la puerta del camino que emprendía a sus allegados. ¿Qué hace un genuino seguidor de Cristo? Por supuesto, dar a conocer a Dios a los suyos. Y aunque él todavía no concebía a Jesús en su divinidad, algo muy hondo y desconocido experimentaría ante su presencia que le indujo a actuar así.
Conmueve ver cómo aprovecha el Maestro ese instante para manifestarse en un aspecto que quedó como paradigma de consuelo y esperanza para quienes se han propuesto seguirle y piensan en sus muchas debilidades y torpezas: «No necesitan médico los sanos sino los enfermos; no he venido a llamar a justos, sino a pecadores» (Mc 2, 17). Conviene tener en cuenta que el Mesías no se fijó en los máximos exponentes de la sociedad tanto del ámbito religioso como público. Los detractores no entendieron su indulgencia y piedad, un concepto de amor de tal calibre que echaba por tierra toda barrera y prejuicios, ya que elevaba a la condición de hijos de Dios a todas las personas sin distinciones de ningún tipo. La acepción disgregadora quedaba absolutamente destronada para siempre.
Ni qué decir tiene que en lo profundo del corazón humano se produce un estremecimiento ante el misterio del llamamiento. Nos desborda la contemplación de la misericordia divina. Viendo la elección de Mateo que discurre completamente al margen de los cánones de la razón, rompiendo todos los convencionalismos, se comprende el sentimiento que tantos seleccionados por Cristo para seguirle han experimentado y siguen percibiendo: ¿Por qué yo?, ¿qué ha podido ver en mí? Las preguntas penden en la conciencia de indignidad cuando cada uno se asoma a su interior aunque sea levemente. Ese «porqué» enajena, perturba, insta a luchar y a hacerse dignos de tan altísimo honor. Yendo tras Él, este sencillo publicano impregnó su vida de esperanza y la enriqueció con su anhelo indeclinable de apurarla hasta el final. Es otro de los indiscutibles referentes que poseemos.
Aunque no se ofrezcan datos fehacientes al respecto, en el itinerario espiritual de Mateo debió quedar trazada a fuego la confianza del Redentor. Que el Maestro se fijara en él lo sintetiza todo. Y en esa mesa llena de comensales en la que pululaban las murmuraciones, mucho debió pesar en su ánimo el hecho de que Cristo le había abierto sus brazos para siempre amándole como era, con sus debilidades y aciertos, que también los tendría. Este amor dio un giro radical a su existencia. No echó en saco roto la excelsa dádiva que había recibido. Después de la muerte y resurrección de Cristo, bajo el amparo de Pedro contribuyó a la evangelización y extensión de la Iglesia en Palestina. Testigo ocular de los hechos que acontecieron al Hijo de Dios catequizó a su generación, y a las que han ido llegando desde entonces, narrando en su evangelio todo lo que había oído y vivido. El humilde apóstol, denostado por su condición social y trabajo profesional, pasó a ser el primer redactor.
En su exposición, escrita en hebreo, arameo y griego, confirma que Jesús es el Mesías cuya venida había sido vaticinada durante siglos por los profetas. Ensalza el Reino de Dios, que denomina Iglesia constituida por Cristo en la persona de Pedro. Él, como los restantes evangelistas, se ocupó de transmitir fielmente la vida de Jesús y su doctrina. Realizó su apostolado en Palestina y después partió a Etiopía donde obró incontables milagros, entre otros, la resurrección de Ifigenia, una hija del rey Eglipo, que se convirtió junto al resto de su familia. El sucesor del monarca, Hirtaco, pretendía casarse con ella, pero la joven había consagrado su virginidad a Dios alentada por el apóstol. Y al ver que no podía cumplir sus deseos, porque Mateo no se prestó a ayudarle en sus planes rebajando el mensaje evangélico que había transmitido a la joven, el cruel soberano ordenó que le diesen muerte mientras oficiaba misa. Sus reliquias se veneran en Salerno, Italia.
in



Audiência: “Deus não decepciona, confia no abraço de Cristo”

O Papa na praça de São Pedro, continuou seu ciclo de catequeses sobre a esperança cristã

(ZENIT – Cidade do Vaticano, 20 Sept. 2017).- O Papa Francisco continuou na Audiência Geral desta quarta-feira, na praça de São Pedro, seu ciclo de catequeses sobre a esperança cristã.
Francisco saudou e abençoou os mais de 30.000 peregrinos que chegaram de todo o mundo, dando especial atenção às crianças enquanto ele atravessava a praça a bordo do papamóvel.
“A catequese de hoje pretende «educar para a esperança», desenvolvendo-se sob a forma dum colóquio direto com um «tu», um jovem, uma pessoa qualquer disposta a aprender”, indicou o Papa.
E exortou: “Vive, ama, acredita. E, com a graça de Deus, nunca desesperes. Vive para algo que está acima de ti: cultiva ideais. E se um dia estes ideais te custarem sacrifício, não deixes de trazê-los no coração; a fidelidade obtém tudo”.
“Nos contrastes, sê paciente: um dia descobrirás que cada um é depositário de um fragmento da verdade. Ama as pessoas; ama-as uma a uma. Respeita o caminho de todos, seja ele linear ou enviesado, porque cada um tem a sua história a contar”.
El recordou que “cada criança que nasce é a promessa duma vida que de novo se demonstrou mais forte do que a morte. E cada amor que desponta é uma força de transformação que aspira à felicidade. Sente-te responsável por este mundo e pela vida de cada ser humano. Cada injustiça contra um pobre é uma ferida aberta na humanidade e diminui a tua própria dignidade”.
“Sonha um mundo que ainda não se vê -frisou o Papa- mas de certeza chegará. A vida não está circunscrita à tua existência e, neste mundo, à tua geração sucederão outras gerações. A esperança crê na existência duma criação que se prolonga até à sua realização definitiva, quando Deus for tudo em todos”.
“Não penses que, no fim da existência, nos espere o naufrágio; em nós, palpita uma semente de absoluto. Deus não decepciona: se colocou uma esperança nos nossos corações, não foi para coarctá-la com contínuas frustrações. Tudo nasce para florir numa eterna primavera” disse. E concluiu: “Confia em Deus Criador, confia no Espírito Santo que tudo move para o bem, confia no abraço de Cristo que espera cada pessoa no fim da sua existência”.
Ao final das suas palavras aos peregrinos de língua portuguesa o Santo Padre saudou “os peregrinos de língua portuguesa, em particular os fiéis brasileiros e o grupo de benfeitores, historiadores e editores da obra literária «Portugal Católico», e animo-os a procurar sempre o olhar de Nossa Senhora que conforta todos aqueles que estão na provação e mantém aberto o horizonte da esperança. Enquanto vos entrego, vós e as vossas famílias à sua proteção, invoco sobre todos a Bênção de Deus”.
in



Francisco reza pelas vítimas do terremoto em México

Expressou a sua solidariedade ao povo mexicano na audiência geral, celebrada na praça de São Pedro

Terremoto Mexico Youreporter.it
Terremoto Mexico Youreporter.It
(ZENIT – Cidade do Vaticano, 20 Setembro 2017).- O Papa Francisco expressou a sua solidariedade ao povo mexicano hoje na audiência geral, celebrada na praça de São Pedro, recordando as vítimas do terremoto de ontem, de 7.1 graus.
Ao saudar os peregrinos de língua espanhola disse:“Ontem um terrível terremoto tem golpeado o Mexico. Vejo entre vocês muitos mexicanos. Causou inúmeras vítimas e danos materiais. Neste momento de dor, quero manifestar a minha solidariedade e oração a toda querida população mexicana. Elevemos todos juntos a nossa oração a Deus para que acolha em seu seio os que perderam a vida, conforte os feridos, seus familiares e todos os afetados.”
O Papa pediu orações também por todos que trabalham no resgate das vítimas e a proteção de Nossa Senhora de Guadalupe.
Ao menos 224 pessoas morreram em diferentes zonas: 86 delas na capital do país, 71 em Morelos e 43 em Puebla, 12 no Estado do México, quatro em Guerrero e um em Oaxaca, indicou a Proteção Civil. Entretanto se teme que a cifra de vítimas aumente com o passar das horas.
Mais de 40 edifícios desabaram, incluindo duas escolas. Em um deles, Rebsamen, o presidente, Enrique Peña Nieto, confirmou ainda na noite de terça, que pelo menos 21 crianças morreram e outras 30 ainda estavam desaparecidas.
in



Congresso do Apostolado do Mar em Taiwan: “Preso na Rede”

Contra o tráfico de seres humanos e condições desumanas, incluindo mulheres e crianças

P. Bruno Ciceri Apostolato Del Mare (Foto ZENIT Cc)
(ZENIT – Cidade do Vaticano) .- XXIV Congresso Mundial do Apostolado do Mar, que se realizará de 1 a 7 de outubro na cidade de Kaohsiun, em Taiwan, tem o título “Preso na rede” (Caught in the net) e abordará a questão da pesca, do tráfico de seres humanos e do trabalho forçado, que também inclui mulheres e crianças.
O padre Bruno Ciceri, delegado da Santa Sé para o Apostolado do Mar e funcionário do Departamento de Desenvolvimento Humano Integral, explicou aos jornalistas presentes na Sala de Imprensa da Santa Sé, explicou alguns temas desconhecidos sobre o assunto.
O padre Ciceri, entrevistado por ZENIT, disse que a conferência foi organizada pelo Apostolado do Mar, que è parte do Dicastero de Desenvolvimento Humano Integral, em colaboração com a Conferência Episcopal de Taiwan, a Embaixada de Taiwan junto à Santa Sé Sede e o Ministério das Relações Exteriores de Taiwan, em um evento com a participação de mais de 250 pessoas e de uns 52 países.
“De acordo com as estatísticas da FAO, dos 53 milhões de pessoas que pescam, 84 por cento são asiáticos, 10 por cento são africanos e 4 por cento da América Latina e o Caribe, enquanto a Europa e a Oceania nem têm só o um por cento. Então, era lógico fazer isso na Ásia”, disse.
Ele também apontou que “o Apostolado do Mar é um dos parceiros fundadores da Associação Internacional Cristã Maritain (ICMA), que reúne 28 denominações cristãs trabalhando no mar, anglicanos, batistas, etc.” E que “no congresso também será o secretário geral da Icma, um Batista canadense”.
O cardeal Petter Turkson, prefeito do Dicasterio, ira ao evento representando a Santa Sé; tambem o cardeal Charles Bo de Myanmar; e Mons. Marcelo Sánchez Sorondo, chanceler da Pontifícia Academia das Ciências.
Durante a informação dada na conferência de imprensa, o padre Ciceri disse que “os voluntários do Apostolado do Mar visitaram no ano passado cerca de 70 mil barcos, o que significa ter contatado quase um milhão de pessoas”.
Ele explicou que “hoje com o sistema de contêineres, os navios são deixados apenas algumas horas nos portos e estes são construídos cada vez mais longe das cidades, dificultando o contato da tripulação com o a gente”.
A ponto de que os marinheiros ou os marítimos tem pouco tempo para comprar as coisas necessárias, ou só têm dólares, o que dificultam o pagamento em alguns países “.
Ele indicou que “o pescador não tem horários, quando acham o peixe se pesca”. E que “um britânico por quinhentas esterlinas não trabalha no setor, mas na Ásia mesmo por cem dólares por mês eles fazem este trabalho, porque de outra forma eles morreriam de fome”.
Nas águas internacionais, “o capitão se torna o deus absoluto do navio”, disse ele, podendo “realizar abusos verbais ou físicos” porque “não há quem possa controlá-lo ou evitá-lo” e”o mesmo acontece com os pescadores”.
Ele apontou que, por esta razão, “o Apostolado do Mar é uma presença da Igreja no meio deles”, mesmo “quando há infortúnios e algumas matanças, nosso capelão está a bordo e faz um serviço de funeral ecumênico neste momento de dor”.
Ele comentou entre suas experiências em primeira pessoa, o caso de alguns filipinos que “da três anos estavam sem poderem sair de um barco, contra sua vontade e sem poder fazer nada para evitar isto”.
Além do caso de “marinheiros que embarcam e depois à suas famílias não pagam o acordado” ou “falta de comunicação fora do navio”. Então, quando eles vão para os navios, eles carregam wifi, para que os marinheiros “possam se comunicar com suas famílias”.
Ele mesmo comentou sobre o caso de “navios abandonados pelos armadores” porque não é conveniente repará-los, com a tripulação a bordo, ou pacientes que estão “abandonados nos portos”. Entre os motivos apontados pelo P.Ciceri, figura o desejo de ganância dos “armadores que querem acumular sempre mais lucros”.
in



Folha Paroquial de S. José de 17 de setembro de 2017




Turismo e Património Cultural em debate, em Lisboa


Seminário "Turismo e Património Cultural: Tecnologia e Inovação"
28 e 29 Setembro 2017
Auditório do Museu da Farmácia, Lisboa
Uma iniciativa Pporto.pt e VERdeNOVO
Com esta iniciativa, pretendemos contribuir para uma reflexão sobre a aplicação das tecnologias de informação e comunicação como alavanca de inovação no domínio do Património Cultural e do Turismo, numa perspectiva integradora. Propomos, assim, uma reflexão sobre o “estado da arte”, a apresentação de boas práticas ao nível da gestão, das experiências culturais e turísticas e do marketing e da comunicação, que possa contribuir para a identificação de oportunidades e a dinamização de projectos.

Programa:
Quinta-feira, 28 de Setembro
8h45      Recepção dos participantes      
9h30      Abertura           
                António Luís Ferreira | VERdeNOVO
                Patrícia Remelgado | Pporto.pt
                João Neto | Museu da Farmácia

Painel I – Turismo e Património Cultural: tecnologia e inovação. Estado da Arte       
Moderação:  Professor José D'Encarnação
10h00    Cristina Salsinha | Turismo de Portugal
10h20    Luís Raposo | ICOM Europa
10h40    Carlos Martins | OPIUM
11h00    Intervalo           
11h20    Fabiana Baumann | Instituto Politécnico de Leiria
11h40    Carlos Campos | Microsoft
12h00    Pporto.pt e  VERdeNOVO | Plataforma Cultura e Inovação: apresentação de resultados
12h20    Debate
13h00    Almoço livrre    

Painel II – Tecnologia e Inovação aplicadas à Gestão nas instituições Culturais e Turísticas     
Moderação:  Joana Sousa Monteiro
14h30    Elísio Summavielle | Centro Cultural de Belém
14h50    Pedro Ferreira | Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo
15h10    Paula Silva | Direcção-Geral do Património Cultural
15h30    Pedro Trocado | Parques de Sintra – Monte da Lua
15h50    Intervalo            
16h10    António Loureiro | Travelpor Portugal
16h30    Carlos Rebelo | 3Decide
16h50    Debate

Sexta-feira, 29 Setembro        
Painel III – Tecnologia e Inovação aplicadas às Experiências Culturais e Turísticas        
Moderação:  Isabel Victor
10h00    Pedro Sobral | EON/Neverending
10h20    João Mendes Rosa | Museu da Guarda
10h40    Ana Garcia | Tur4All
11h00    Intervalo            
11h20    Maria Vlachou | Acesso Cultura
11h40    Eduardo Vieitas | IT People Innovation
12h00    Mario Vairinhos | Universidade de Aveiro
12h20    Debate
13h00    Almoço livre     

Painel IV – Tecnologia e Inovação aplicadas ao Marketing e Comunicação dos Agentes Culturais e Turísticos
Moderação: Inês Bettencourt da Câmara
14h30    Tânia Ventura | IDTour
14h50    Rodrigo Moita de Deus | Next Power
15h10    Fábio Claudino | Recfly
15h30    Djalmo Gomes | Live Electric Tours
15h50    Intervalo            
16h10    João Pereira | Partners
16h30    a confirmar
16h50    Debate
Pretendemos, também, que todos os participantes possam ter uma participação activa nesta iniciativa, partilhando os seus projectos, estabelecendo contactos, criando sinergias. Assim, convidamos todos os participantes a divulgar os seus projectos/instituições através de flyers e outros materiais impressos (num formato não superior a A4 e que possam ser colocados sobre uma mesa) num espaço que será disponiblizado para esse fim.
Condições de participação:
A participação no Seminário “Turismo e Património Cultural: Tecnologia e Inovação” implica o pagamento de 50,00 euros e inclui a participação em todas as sessões do Seminário, certificado de participação e coffee breaks. Este valor inclui o IVA à taxa legal em vigor.
Para mais informações: premelgado@pportodosmuseus.pt
Faça a sua inscrição e reserve o seu lugar aqui: http://goo.gl/xkHyMm
Pel’ Organização (Ppporto.pt e VERdeNOVO)
Patrícia Remelgado
Pporto.pt
www.pportodosmuseus.pt



Papa Francisco conhece a beleza do «Portugal Católico»

Bom dia e paz e bem!!
Hoje o dia começa com o encontro entre o Papa Francisco com peregrinos e turista na audiência semanal de quarta-feira, no Vaticano. É depois do evento público que o pontífice vai receber uma edição “especial e única” do livro ‘Portugal Católico. A beleza na diversidade’.
A obra que apresenta uma “radiografia do catolicismo em Portugal na sua realidade dinâmica e multifacetada”, esta terça-feira, no Instituto Português de Santo António, em Roma. A Agência ECCLESIA está no terreno a acompanhar tudo para que tenha todas as informações.
Do Vaticano surgiu a notícia que o Papa criou o Instituto Pontifício Teológico João Paulo II para as Ciências do Matrimónio e da Família, com a Carta Apostólica ‘Summa familiae cura’.

Em Coimbra, o bispo diocesano, D. Virgílio Antunes, vai apresentar hoje o plano pastoral da diocese até 2020, durante as jornadas de formação pastoral no Seminário Maior.
Já em Fátima estão a decorrer as jornadas nacionais da Pastoral Social, centradas na família, e o diretor do secretariado - padre José Manuel Pereira de Almeida - explicou que Igreja Católica tem procurado “traduzir” o pensamento social do Papa em “propostas concretas”.
E como o jornalismo faz-se no contacto com a realidade e com as fontes vamos fazer-nos à estrada e falar com os diversos intervenientes.

A Agência ECCLESIA acompanha-o na internet, na televisão onde hoje vamos conhecer um projeto editorial que inclui “conteúdos de realidade aumentada”. A autora Rita Carvalho é a nossa convidada, a partir das 15h00, na RTP2.
No contexto do início do novo ano escolar, o programa de rádio Ecclesia, na Antena 1, fala hoje com António Estanqueiro sobre a escola, depois de refletir sobre os alunos e os pais.

Queremos levar-lhe boas notícias, por isso, esperamos e desejamos que tenha um bom dia na companhia da sua Agência Ecclesia.
Carlos Borges

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Ideologia de Género, um “Tsunami Sexual”

A Ideologia de género não é uma simples e inócua moda intelectual, mas representa um movimento cultural, uma verdadeira revolução antropológica, com reflexos na sociedade, na família, na esfera política e legislativa, no ensino, na comunicação social - que muito a tem defendido -e também na nossa linguagem corrente, que contrastando frontalmente com todo o nosso património civilizacional e humano adquirido, ao longo de milhares de séculos de história e da evolução da humanidade.

De acordo com esta ideologia, ninguém nasce do sexo masculino ou feminino, mas cada indivíduo deve construir-se a si mesmo a partir do modo como vive a sexualidade. Dessa maneira, é inaceitável falar-se em homem ou mulher. Em última instância, a própria biologia é considerada por eles como uma tirana, que deve ser combatida, e é na família natural que, segundo os ideólogos de género, essa tirania se manifesta de forma plena. Portanto, a família deve ser destruída. 

Não obstante a base desta “hipotética teoria”, estar já cientificamente ultrapassada pelo facto de se comprovar que a identidade sexual está inscrita em cada uma das células do homem e que, portanto, não se pode separar a realidade biológica da realidade psicológica, os grupos de pressão não desistem de lutar para a implementar, daí os grandes e preocupantes programas de educação sexual impostos nas escolas, nos sectores da saúde com visibilidade altamente fomentada em todos os meios de comunicação que lhes dão apoio.

É inquestionável que ninguém tem uma sexualidade neutra, ou se nasce menino ou menina. Somos aquilo que somos e “brincar” com a identidade que nos pertence desde que existimos é, no mínimo “uma perigosa brincadeira de mau gosto”, que pode ter elevados danos no foro antropológico, com inevitáveis desequilíbrios físicos, psíquicos, neurológicos, familiares e sociais.

A ideologia do género visa essencialmente desconstruir a identidade e a natureza feminina e masculina inscrita na configuração antropológica do homem e da mulher, e em particular, o papel desta como mãe e esposa.

Esta assexualização do indivíduo está ligada ao crescimento do individualismo, ela desconstrói a configuração da pessoa humana como pai ou mãe, esposo ou esposa, filho ou filha, irmão ou irmã, - dimensões antropológicas fundamentais que reflectem a própria estrutura do amor.

Caro leitor/a amigo/a, não deixe de reflectir sobre esta barbárie que tão sub-repticiamente estão a tentar procurar implementar, recordando ainda toda a manipulação e facilitismo desmedido que têm exercido nos casos de divórcio, de liberalização do aborto, da perversa educação sexual nas escolas, das barrigas de aluguer, do casamento gay, da adopção de crianças por casais do mesmo sexo, da eutanásia e, agora por fim, cumprindo o seu maquiavélico calendário a Ideologia do Género. 

Ana Maria d´Oliveira



A estratégia para acabar com os rapazes e as raparigas

A agenda política do Bloco é promover a ambiguidade da identidade sexual e considerar normal aquilo que, na maioria dos casos, é patológico, pelo que são muitos os perigos desta aberração legislativa.

Já há muitos anos que tem vindo a ser implementada em Portugal (e também noutros países) uma ideologia que se designa por “ideologia do género”. Esta teoria assenta na ideia radical de que os sexos masculinos e femininos não passam de uma construção mental, cabendo à pessoa escolher a sua própria identidade de género (já existem identificadas mais de 30!). Trata-se de um movimento cultural com impacto na família, na política, na educação, na comunicação social e que reclama a utilização de uma nova linguagem.

A Assembleia da República discute um projeto-lei do Bloco de Esquerda que permite a mudança de sexo aos 16 anos e, no caso de os pais se oporem a esta ideia, possibilita que os menores possam intentar judicialmente contra estes. A agenda política do BE é a seguinte: promover a ambiguidade da identidade sexual e considerar normal aquilo que, na maioria dos casos, é patológico. Convém alertar as pessoas para os perigos desta aberração legislativa, pois os deputados não sabem de medicina, nem tão-pouco de psiquiatria. Os casos de perturbação de identidade sexual (disforia de género) são complexos e levam por vezes os jovens ao suicídio, pelo que este assunto deve ser tratado com uma enorme prudência. Considerar que estes casos se resolvem com um pacote legislativo, é uma visão simplista, redutora e perigosa deste problema.

A estratégia por detrás desta mutação social, que agora se pretende implementar pela via legislativa, é fazer crer que a a ideologia de género é cientificamente correta. As teses desta ideologia são apresentadas como um dado científico consensual e indiscutível, mas isto é absolutamente falso. A natureza tem regras, cabe à ciência compreendê-las e descodificá-las. Portanto, compete à ciência elaborar as teorias que ajudem a desvendar a realidade e não o contrário, como acontece na ideologia do género: elaborou-se uma teoria e para a validar procura-se alterar a realidade.

As consequências deste conflito estão à vista. Nunca como hoje se baralhou e confundiu tanto a mente de crianças e adolescentes. E isto não tem nada a ver com liberdade, mas com uma doutrinação promovida por alguns partidos que se apoderaram ideologicamente do Estado e que desejam proceder à reeducação das massas. Neste contexto, esta proposta legislativa não poderia ser mais tirânica: os pais são expulsos do processo educativo, os psiquiatras e psicólogos são totalmente desvalorizados, sendo-lhes retiradas competências, e os menores passam a ser “propriedade” do Estado que, no plano educativo e legislativo, lhes impõe um novo sistema de valores baseado na ideologia do género.

É espantoso assistir-se a uma indolência perante uma ideologia que se entranhou na sociedade como se fosse um dogma de fé. Mas esta ideologia não exprime a verdade da pessoa humana. Trata-se afinal de uma aventura ideológica, inspirada pelo desejo do Homem controlar a natureza; neste caso, o Homem decidiu declarar guerra à natureza.

Na identidade sexual não é sensato defender a supremacia absoluta da dimensão biológica sobre a dimensão psicológica/sociocultural. O ideal é que haja uma harmonia entre ambas, não sendo ético provocar desordens psicopatológicas artificiais, através da difusão de uma ideologia radical destinada a criar um “homem novo”. Considero uma irresponsabilidade que Estado fomente, seja de que forma for, a ambiguidade da identidade sexual dos adolescentes, deixando-os ficar entregues a si próprios, através de um projeto-lei leviano e irresponsável.

Como psiquiatra oponho-me a esta iniciativa legislativa do Bloco de Esquerda, pois ela não respeita a ciência médica. Não podemos permitir que os adolescentes sejam objeto de experiências de engenharia social. É necessário criar condições para que as crianças e os adolescentes possam crescer livres e mentalmente saudáveis, respeitando o direito que os pais têm de dar a formação moral que considerarem melhor para os seus filhos.

Os casos de disforia do género devem ser referenciados para a psiquiatria, de modo a serem acompanhados pelos vários profissionais de saúde competentes, pois as doenças não se tratam por decreto-lei. Além disso, a história ensina-nos que sempre que a medicina se subjugou à ideologia, os resultados foram desastrosos para a humanidade.

Pedro Afonso
Médico Psiquiatra



Veritas

Chego do supermercado e preparo algo para jantar. A filha pequena já deve estar dormindo, no Vale do Caí, e a idade da filha do meio, quase com trinta anos, me lembra que já tenho décadas. Mora em São Paulo e no domingo tornarei a vê-la, depois de muito tempo. Êta vida! Falarei com a esposa dentro de alguns minutos e direi a ela que segui sua receita no preparo de uma espécie de kafta. Contarei que chegar em São Paulo foi penoso e que quase dormi no trecho final, para lá de desgastante, na Serra do Cafezal. A obra de duplicação já dura décadas e ninguém fala abertamente quando terminará. Entre outras dificuldades, questões ambientais representam parte do drama. É Mata Atlântica para cá, biodiversidade para lá, e um silêncio constrangedor sobre o prejuízo dos adiamentos. Ninguém abre a boca sobre o desperdício de combustível e sua poluição. Para tomar um exemplo, percorri míseros quinze quilómetros em mais de duas horas. Quantas vidas se foram em acidentes naquele trecho cercado de mato? Não, não sou inimigo da natureza. Planto mais de duzentas árvores por ano, mas isto não me cega. Religião, só aquela que vem de Deus e não a que se assemelha ao credo panteísta.

No mercado, escolhendo com frugalidade e calma o que preciso nos dias que permanecerei em São Paulo, coloco na cesta uma embalagem de aveia. Ao empunhar a caixa dou-me conta de que no verso há inscrições em braile. As percorro com dedos que mais não podem além de pegar coisas ou afagar. Tenho dedos cegos, que num rasgo de lucidez passam a admirar os dedos de quem não vê  e ainda assim lê. Que capacidade extraordinária, que brilho de quem criou tal linguagem. Entre gôndolas fico a imaginar que jamais seria capaz de tal proeza, a de ler um mapa de pontos em relevo. Quão extraordinário é ou pode ser o homem.

Me vem então à lembrança uma celebração na Igreja de Sankt Eberhard, em Stuttgart, quando uma moça, discreta, sem sair de seu lugar em meio aos fiéis, encheu o templo com uma voz absolutamente celestial. Daquela noite em diante me recusei a sequer pensar que uma pessoa pode cantar como um pássaro. Não é verdade. Pessoas com aquele dom cantam muito, mas muito melhor que qualquer pássaro. Quantos talentos existem entre nós.

Nas asas da imaginação, me vejo novamente diante do “The University Club”, em Nova Iorque. O clube é compartilhado por grandes universidades daquele país, cujos brasões em pedra, com inscrições em latim, são destaque na parede frontal. Dei sub numine vigit é a de Princeton, instituição criada no século XVIII, rebatizada com o nome atual em 1896 e na qual Einstein abrigou-se em seu autoexílio. A frase quer dizer “Prospera (ou floresce) sob a influência de Deus”. Já o brasão de Harvard, inegavelmente uma das mais prestigiosas instituições acadêmicas do mundo, tem na inscrição a palavra Veritas no centro e pontifica “A Verdade para Cristo e para a Igreja”. Princeton e Harvard são dois exemplos de que a fé produz belos frutos.

Enquanto bebericava minha cachaça com butiá assisti um programa sobre felicidade, baseado numa longeva pesquisa, conduzida justamente em Harvard desde a década de trinta. Fazer o que bem entender, sucesso e dinheiro fazem parte do elenco dos ingredientes de felicidade, mas são empanados, segundo a pesquisa, pelo brilho da vida entre amigos e as relações familiares estáveis. Deus não foi citado no programa, o que não chega a surpreender. A omissão condiz com as visões seculares que hoje predominam, com a ruinosa autossuficiência dos homens em seu ateísmo militante ou com a empedernida indiferença dos que se dizem agnósticos.

Com muitas tarefas pela frente, aproveito a folga noturna para apascentar o coração e colocar ideias e papéis em ordem. Cá no meu canto, longe da merecida imponência de Harvard e do Campus de Princeton, não tenho dúvida de que a coluna mestra da vida é sentir o amor que Deus tem por nós, pobres pecadores que oscilamos entre delírios de grandeza e a mais triste desesperança. Sei que, tangidos pela vara do relativismo cego,  muitos fazem esgar ao escutar a palavra verdade, de cuja existência duvidam. Por que caíram no vazio da descrença? Vários afirmam que são filhos da razão e que a existência da dor e do mal foi determinante. São ressentidos, portanto, contra o que identificam como o abandono do homem à própria sorte. Um bom recomeço seria perceber que a verdade é a essência tanto da ciência quanto da religião. Assim, quem sabe um dia, valendo-se da razão, mas tomados de humildade, perceberão que Deus nos sustenta a cada passo. Não creio que haja ateus ou agnósticos sem remissão.

J. B. Teixeira