sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Igreja: D. António Vitalino celebra 50 anos de sacerdócio (c/vídeo)

«Os emigrantes foram sempre a minha paixão», afirma bispo emérito de Beja, que foi missionário na Europa

Fátima, 03 ago 2018 (Ecclesia) – D. António Vitalino, bispo emérito de Beja e religioso da Ordem do Carmo, celebra hoje as bodas de ouro da ordenação sacerdotal, destacando o ministério dedicado aos emigrantes.
“Os emigrantes foram sempre a minha paixão”, disse o prelado, em entrevista à Agência ECCLESIA, referindo o trabalho feito para ajudar estas pessoas, “conseguir contratos para os familiares, as mulheres, defendê-los junto da polícia, dos tribunais, nas fábricas”.
A ordenação sacerdotal aconteceu a 3 de agosto de 1968, no Santuário do Sameiro (Braga), e D. António Vitalino lembra que pediu “uma máquina fotográfica” com a qual “se fotografou a ordenação, a Missa Nova” e começou “a fazer fotografias” e depois slides; hoje, pede orações por si.
“Desejo que rezem por mim para que tenha juízo, e até à hora da morte. É realmente importante. Tenho tudo o que preciso, já tenho muita maquineta antiga”, pede.
O bispo emérito de Beja nasceu a 3 de novembro de 1941 em Barros, Vila Verde, na Arquidiocese de Braga, e lembra que na redação do exame da Quarta-classe escreveu que “queria ser missionário”.
As primeiras experiências foram as Ordens Franciscanas – os Frades Menores e os Capuchinhos -, seguindo-se o seminário Carmelita da Falperra, em Braga; depois do noviciado, D. António Vitalino pediu para ir para a Alemanha, explicando que “no Concílio Vaticano II os teólogos alemães se tinham distinguido muito”.
Enquanto estudava Teologia, descobriu os emigrantes, assistiu “às primeiras grandes levas” de portugueses para as “grandes fábricas alemãs”, e isso foi “providencial” para descobrir que a sua vocação “era mais entre o povo, era pastoral”.
“As autoridades precisavam de alguém que percebesse alemão e a língua dos portugueses”, assinala o entrevistado, que começou também “a traduzir documentos”.
Foi na emigração que D. António Vitalino encontrou “mais homens alentejanos numa celebração” – 220 trabalhadores que, depois de ouvirem os “seus direitos”, participaram “todos” na Eucaristia, quando o interlocutor “disse que era padre” e podia celebrar.
Um trabalho “muito interessante” que ajudou o entrevistado a “ser missionário na Europa”; a Pastoral das Migrações é um serviço que ainda hoje conta com o seu empenho.
O padre carmelita regressou a Portugal em 1976 e foi para a Paróquia de Santo António dos Cavaleiros, em Loures; passados 20 anos foi nomeado bispo auxiliar de Lisboa, a 3 de julho de 1996, tendo sido ordenado bispo aos 54 anos, a 29 de setembro de 1996, na igreja do Mosteiro dos Jerónimos.

A 25 de janeiro de 1999, o então Papa João Paulo II nomeou-o bispo de Beja; a entrada solene realizou-se dia 11 de abril, uma região onde a Ordem Carmelita está desde o século XIII.
O 16.º bispo da Diocese de Beja ordenou 19 presbíteros e dinamizou o primeiro Sínodo diocesano para “consultar o povo de Deus”.
Neste âmbito, lembra que realizou um pré-sínodo e com “mais de 1000 respostas” de leigos colaboradores mostrou aos padres “céticos que era altura de convocar o sínodo”.
Uma das conclusões do Sínodo da Diocese de Beja foi a necessidade de formação e “o saber trabalhar com o povo”.
“Não existimos para nós mesmos, existimos para o povo de Deus. Se não escutamos os leigos estamos a trabalhar em vão. Podemos estar só a repetir coisas do nosso ministério, mas não é a resposta adequada”, desenvolve o bispo emérito.
Em 17 anos de serviço episcopal em Beja, D. António Vitalino “nunca” sentiu resistências ideológicas: “Entendia-me bem com todos”.
A 10 de outubro de 2014, o Papa Francisco nomeou D. João Marcos como bispo coadjutor da Diocese de Beja, a pedido de D. António Vitalino que manifestou necessidade de um bispo coadjutor a quem confiar essa missão quando atingisse os 75 anos, que o entrevistado completou a 3 de novembro de 2016.
Atualmente, D. António Vitalino vive na casa dos Carmelitas em Fátima e revela que “faz o que pedem”.
O prelado é membro da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana e dedica-se, por exemplo, às migrações e ao Apostolado do Mar.
As tecnologias continuam a fazer parte das suas ocupações, dedicando-se “a digitalizar os slides”, e fazer “filmes nos tempos livres”, muitos deles para oferecer.
PR/CB/OC



in



Sem comentários:

Enviar um comentário