domingo, 22 de julho de 2018

Família é dos Poucos Locais Onde Exercemos Influência


Esta foi a frase que uma amiga comentou com alguma razão quando falávamos sobre a família e que retive porque me fazia muito sentido. Lutamos muitas vezes ingloriamente para exercer algum grau de influência. Mas na família temos sempre uma palavra a dizer. Mesmo que discordem da nossa opinião, ouvem-nos, criticam-nos, contestam, mas ainda assim, num último momento, acabam quase sempre por aceder às nossas solicitações. Nos outros locais nem sempre é assim. Na realidade, a família tem a ver com cada um dos seus membros durante toda a sua vida, ou seja, desde o nascimento até à morte. Crescemos, adquirimos novos conhecimentos através do estudo, da experiência de vida, das relações com a comunidade. Tudo tem influência em nós, mas nós também possuímos esse poder de tentar contribuir para modificar o que consideramos que não está de acordo com o nosso modo de pensar e de agir. Nem sempre conseguimos, mas pelo menos ficamos de consciência tranquila ao tentar. O resto não depende de nós. E estes choques culturais são mais bem compreendidos na família que acompanhou este nosso processo de crescimento.

Há uns dias atrás, sentindo-me algo nostálgica, resolvi dar um passeio a pé por um lugar de grande beleza, com muita vida que, de algum modo, me ajudasse a ultrapassar esta inquietude. Fui até ao Terreiro do Paço. Tanta luminosidade, o rio e o céu muito azuis, tanta beleza paisagística, humana e cultural. Esta belíssima praça, uma das mais belas e irresistíveis praças da Europa, repleta de turistas e de esplanadas fervilhava de vida, de alegria, de descompressão, ajudando-me de algum modo a encontrar a inspiração que carecia. Precisava de tomar um café. Dirigi-me ao Martinho da Arcada como se tivesse um encontro marcado, pelo menos era essa a minha sensação. Esse encontro era com um dos maiores poetas do século XX, ou seja, Fernando Pessoa que neste local escreveu nos seus últimos anos de vida o “Livro do Desassossego”, por ironia do destino quem se sentia de momento “desassossegada” era eu. E, se por acaso Fernando Pessoa que faleceu com 47 anos em 1935, regressasse? O que escreveria, ou será que já escreveu? Vejamos o que pesquisei: “Sábio é quem monotoniza a existência, pois então cada pequeno incidente tem um privilégio de maravilha. O caçador de leões não tem aventura para além do terceiro leão… Quem nunca saiu de Lisboa viaja no infinito até Benfica, e, se um dia vai a Sintra, sente que viajou até Marte. O viajante que percorreu toda a terra não encontra de cinco mil milhas em diante, novidade, porque encontra só coisas novas, outra vez a novidade, a velhice do eterno novo, mas o conceito abstrato da novidade ficou no mar com a segunda delas”. Será que esta frase de Fernando Pessoa, quereria significar que esta beleza já existia e que agora as diferenças faziam apenas parte do progresso civilizacional? Creio que sim e ainda bem que assim é!

Mas veio-me entretanto ao pensamento, talvez por analogia, enquanto degustava o meu café e observava a paisagem, nomeadamente o Rio Tejo, outro poeta não menos famoso, ou seja, Luís de Camões que faleceu em 1580, e que escreveu o famoso poema: “Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, muda-se o ser, muda-se a confiança; Todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades. Continuamente vemos novidades diferentes em tudo na esperança, do mal ficam as mágoas na lembrança, e do bem, se algum houve, as saudades. O tempo cobre o chão de verde manto, que já coberto foi de neve fria, e em mim converge em choro o doce canto, e, afora este mudar-se cada dia, outra mudança faz de mor espanto, que não se muda já como soía”.

Este poema fez-me recordar o terramoto ocorrido em 1755. Nesta bela praça existia então o Paço Real da Ribeira, mandado erguer pelo rei D. Manuel I, por volta do ano 1500/1505, onde vivia então o rei e a corte e que ficou completamente destruída. Mandada reconstruir pelo Marquês de Pombal, todo o conjunto desta fabulosa praça é considerada Monumento Nacional desde o ano 2010, constituindo hoje em dia a principal praça de Lisboa e a sua sala de visitas. Como March Bloch referiu: “A incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado”. Na realidade, temos uma história riquíssima da qual muito nos orgulhamos e que importa divulgar e aprofundar cada vez mais. Também no âmbito da família temos sido um exemplo a considerar pela nossa afetividade, amor aos familiares e ao próximo, espírito de sacrifício…

Termino dando ênfase a que nestas terras de Santa Maria, Rainha da Família, e sob a sua proteção, a Família constitua um verdadeiro pilar para todos nós, a todos os níveis.

Maria Helena Paes



Sem comentários:

Enviar um comentário