domingo, 10 de junho de 2018

O último Livro que li…

Um pequeno grande livro, um romance em que o autor aborda quase tudo sobre a vida e a morte, num reduzido número de páginas.

A cadência duma vida normal de trabalho, de família e de sucesso, fazem do herói desta obra um homem vulgar, banal, satisfeito, feliz e serenamente instalado, sem necessidade de se interrogar sobre o sentido da sua existência.

A rotina e a alienação, a banalidade dos afectos e a obcessão pelo trabalho, por um futuro económica e social mais rico, risonho e despreocupado preenchem a totalidade dos dias e das noites. O desejo de ter era a sua constante, sem jamais se preocupar com algo menos material, ou seja, com o sentido da sua existência ou com a realidade da finitude da sua vida.

Porém, um mal-estar físico, presságio de doença, começa-o a abalar psicológica e espiritualmente, vê-se confrontado com algumas limitações, seguidas por reacções muito pouco compreensivas e generosas por parte dos seus. O mal-estar, torna-se dor, a solidão é a sua companheira e os seus afastam-se sem dó nem piedade.

A desumanidade instala-se em seu redor, e cada vez mais perto da morte, resta-lhe a solidão, que é a sua dor maior. Muito perto do temido “minuto final”, quase moribundo e sofrendo atrozmente, no corpo e na alma, encontra alívio no seu jovem criado Guarassim que o assiste, conforta, faz companhia, lhe dá palavras de alento e lhe dedica um afecto desinteressado. Ele é o único que nada lhe esconde, não lhe mente e nada pede em troca.

Também o jovem filho se abeira do leito da morte de seu pai, e estas presenças são suficientes para que a paz e a serenidade invadam o espirito do moribundo, que com alguma ironia pergunta, se afinal a morte era simplesmente o que lhe estava a acontecer. E serenamente esticou-se e morreu, aquele que não obstante a dor, a revolta e inconformismo ou o medo da morte, vivia com medo de morrer e não pedia para lhe encurtarem os dias finais.

Maria Susana Mexia



Sem comentários:

Enviar um comentário