sábado, 10 de março de 2018

O último Livro que li…

«A literatura não muda o mundo, quem muda o mundo são as pessoas, mas a literatura muda as pessoas».

Benjamim era um Pároco de “caracter apaixonado” e “ultra-radical”, mas verteu “lágrimas amargas” pois sentiu-se a anos-luz de realizar o seu sonho – ser um padre santo no meio das suas ovelhas.

Deslizes verbais e não só, caprichos e provocações oriundas de “católicos sociológicos” muito ao estilo dos anos setenta, em clima de pseudo liberdade pós Concílio Vaticano II, em que os “sinais exteriores de sacerdócio” provocavam uma paragem cardíaca, eram uma constante no quotidiano deste (des)aventurado cura.

Um dia, em desespero, o Padre foge, não pode mais, prefere desaparecer. Mistério! Terá ido só? Ou bem acompanhado? Haverá negócios? Mulheres? E para onde? “Todas as hipóteses são viáveis, pois a alma humana é insondável”.

Foi um “Tsunami” alimentado pelas “fantasias dos jornalistas, verdadeiros predadores mediáticos”, porém, enquanto o “diabo esfrega as mãos”, surgiu uma “voz do Além” e a “Graça ditará a sua última palavra”.

Escrito por JEAN MERCIER, com muito humor e Amor, SENHOR BISPO, O PÁROCO FUGIU, é um romance envolvente e fascinante, que nos pode ajudar a compreender e a aperfeiçoar as relações humanas.


M. S. M.




Sem comentários:

Enviar um comentário