domingo, 2 de julho de 2017

A Pátria do Laicismo Militante


«A França descristianizou-se. A partir da Revolução Francesa e dos massacres da Vendeia e até à reconciliação napoleónica foi o país anticatólico e anticristão por excelência. Voltou a sê-lo na Terceira República, com as leis da Separação e uma campanha sistemática contra as congregações religiosas e sacerdotes católicos.

A cultura popular francesa manteve uma matriz cristã até meados do século XX, embora a elite intelectual e política dominante fosse já laica, republicana e profundamente anti-religiosa.

Em 2004, Jacques Chirac proibiu a ostentação de símbolos religiosos nas escolas – a burca, o crescente e a cruz. O laicismo francês, mais do que reiterar a separação da Religião e do Estado e querer manter o factor religioso fora da esfera do político, sempre assumiu uma hostilidade activa, articulada e incessante à Igreja, às igrejas e à religião em geral. (…)

Em França, a laicité não foi tanto uma aplicação do princípio de separação, na teoria e na prática, do reino de Deus e do reino de César, mas antes uma forma de combate à Igreja Católica.


A guerra tinha raízes na ilustração voltairiana e, depois, na revolução Francesa, com os massacres de católicos na Bretanha e na Normandia, até ao armistício napoleónico. (…)

O laicismo francês foi sendo exportado para os partidos progressistas e socialistas da Europa do Sul e América Latina, como Portugal e o México, onde a guerra contra a Igreja foi uma prioridade política. Em Espanha, em 1936, viria a dar lugar à perseguição e ao assassinato de milhares de religiosos e religiosas. 

O conflito manteve-se em França ao longo do século XX, agudizando-se nos anos 30, com a radicalização política, causada pelo aparecimento na Europa dos movimentos comunistas e fascistas. (…)
Um dos objectivos da laicidade fora sempre a emancipação ética dos valores familiares e dos costumes sociais dos “preceitos divinos”, libertando-os da moral religiosa. Daí a luta pela escola pública, a expulsão das congregações religiosas, o fecho dos seus colégios e a cessação dos apoios do Estado aos seus institutos.

Com o Maio de 68 chegava à Europa, via França, o mesmo espírito com outros matizes e por novos caminhos. A mensagem anarcopacifista da Califórnia e do movimento hippie norte-americano trazia uma contestação que abrangia a moral religiosa, mas também a moral republicana, repudiando em bloco o sistema de valores e instituições tradicionais – uns religiosos, outros laicos: “ só era proibido proibir”. (…)

Mas a partir de Maio de 68, os valores e conteúdos dessa moral laica e republicana, mesmo em competição com o cristianismo vinham laicizar princípios cristãos, eram substituídos pelo individualismo hedonista e consumista, que se reforçaria com o fim da Guerra Fria e a globalização. Esta ética individualista e libertária via, naturalmente, as religiões como inimigas, já que o islamismo, o catolicismo, o cristianismo ortodoxo e as Igrejas protestantes organizadas tinham códigos e interditos, sobretudo em termos de moral sexual.

É este o espírito de que é herdeiro o Charlie Hebdo, um espírito anti-religioso activo, agressivo, contra as religiões monoteístas estabelecidas, “ sobrevivências do obscurantismo e inimigas naturais da liberdade libertária” mas que, mas que no entanto se arrogava neutro, rigorosamente isento, indiferente à crença ou à descrença.

Agora o ataque era ao coração das religiões, mais do que aos seus interditos; um ataque à própria noção do Sagrado, ao centro vital da espiritualidade e da religiosidade.

Era aqui que na pós-modernidade se concentravam os velhos anarquistas e os novos laicista – esperando as reacções dos ofendidos». (O ISLÃO E O OCIDENTE – A GRANDE DISCÓRDIA – de Jaime Nogueira Pinto, Edições D. Quixote)

Na verdade vieram as reacções e continuam a vir, por isso se apresenta tão oportuno quanto necessário fazer um esforço de memória para tentar compreender o porquê de algumas situações que não são tão lineares como nos querem fazer parecer. Nada acontece por acaso…

Maria Susana Mexia



Sem comentários:

Enviar um comentário