quarta-feira, 21 de junho de 2017

O povo português continua a mostrar que é solidário

Bom dia e paz e bem!!
as notícias continuam a mostrar que por agora não há paz para a população afetada pelo fogo em Pedrógrão Grande – Distrito de Leiria e Diocese de Coimbra. Com eles também estamos todos em sobressalto e a tentar ajudar dentro do possível. O povo português continua a mostrar que é solidário.
A Cáritas Portuguesa destacou que a onda de solidariedade com as vítimas do incêndio “ultrapassou expectativas”.
Cáritas Diocesana do Algarve vai doar 25 mil euros para ajudar vítimas dos incêndios, para além de bens de primeira necessidade e roupa; da Santa Casa da Misericórdia de Macau vão chegar 200 mil euros e a  igreja de Nossa Senhora da Assunção, em Almada, vai receber um concerto solidário.
O Papa Francisco hoje contacta com peregrinos e turistas na audiência publica semanal de quarta-feira e vamos levar a informação até si. Esta terça-feira, o pontífice homenageou os padres Primo Mazzolari (1890-1959) e Lorenzo Milani. No norte da Itália, afirmou que “é preciso devolver a palavra aos pobres”.

Agenda: O presidente da Comissão Episcopal Liturgia e Espiritualidade que convida à participação no Encontro Nacional de Pastoral Litúrgica, entre 24 a 28 de julho, em Fátima, anunciou a publicação de um «Cantoral Nacional», na Peregrinação dos Coros Litúrgicos que teve apresentação mundial de um «Magnificat».

A partir das 17h00 voltamos ao email, não perca a newsletter ECCLESIA; Pelas 15h00 na RTP 2 a atualidade e entrevista com o secretário-geral da Cáritas sobre o projeto «+Próximo, dedicado à formação também em situações de calamidade, e à noite estamos na Antena 1 (22h45).
Paz e bem, são os desejos e votos para o dia de hoje,
Carlos Borges

“O encontro pessoal com os refugiados dissipa medos e ideologias distorcidas e torna-se fator de crescimento em humanidade”, Papa Francisco, nas redes sociais.
A Organização das Nações Unidas promoveu esta terça-feira o Dia Mundial dos Refugiados com o tema ‘Com os refugiados. Hoje, mais do que nunca, temos de estar ao lado dos refugiados’. Segundo a ONU o número de pessoas forçadas a abandonar as suas casas devido à guerra, violência ou perseguição atingiu um valor recorde em 2016 de “65,6 milhões de deslocados internos ou refugiados”.

Sem comentários:

Enviar um comentário