segunda-feira, 10 de abril de 2017

Viagem do Papa ao Egipto continua confirmada após atentados

Segurança do Papa no Egipto será reforçada


O logo da viagem do Papa ao egito
O logo da viagem do Papa ao Egipto
(ZENIT – Cidade do Vaticano).- A viagem do Papa Francisco ao Egipto, nos dias 28 e 29 de abril, está confirmada. Os atentados reivindicados pelo Estado Islâmico não provocaram variação no programa que o Santo Padre deverá cumprir nos dois dias em que estará no Cairo, mas outro as medidas de segurança serão aumentadas.

O Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria dos ataques que ocorreram neste domingo em Tanta e Alexandria em igrejas coptas, onde 44 pessoas morrerem e cerca de cem ficarem feridas.

O Patriarca da Igreja Copta, Tawadros II, estava dentro da Igreja de São Marcos em Alexandria no momento da explosão, ocorrida do lado externo.

Em Roma, Dom Angelo Becciu, arcebispo substituto da Secretaria de Estado assegurou em entrevista ao jornal italiano ‘Il Corriere dela Sera’: “O que aconteceu provoca confusão e grande sofrimento, mas não pode impedir o desenvolvimento da missão de paz do Papa”.

Os dois atentados são “um ataque ao diálogo e à paz; além de ser uma mensagem indireta a quem governa o país contra uma minoria cristã que encontrou alguma liberdade nos últimos tempos”, disse.

O arcebispo revelou: “As autoridades egípcias garantem que tudo correrá pelo melhor, por isso vamos confiantes”, acrescentou o arcebispo, que irá ao Egipto com o Pontífice. O Papa Francisco, que sempre manifestou a favor do diálogo com as outras religiões, se nega a associar o Islão ao terrorismo, disse Becciu, que por anos foi núncio na África.

A agenda do Pontífice no Cairo prevê uma reunião com representantes do governo do Egipto e com o imame Ahmed Mohamed el-Tayeb, além de um discurso aos participantes da Conferência Internacional sobre a Paz. O Papa também terá uma reunião com o Patriarca de Alexandria, Tawadros II.

O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, implementou o estado de emergência em todo o país por um período mínimo de três meses. A medida vai permitir que as autoridades façam buscas a casas de pessoas e detenções de suspeitos sem mandados emitidos por tribunais.

O ao ter conhecimento dos atentados expressou sua dor durante a oração do Angelus na Praça São Pedro.

“Rezemos pelas vítimas do atentado perpetrado, infelizmente, no Cairo, numa igreja copta. Ao meu querido irmão, Sua Santidade Tawadros II, à Igreja copta e a toda a querida nação egípcia expresso o meu profundo sentimento de pesar. Rezo pelos mortos e feridos. Estou próximo aos familiares e a toda comunidade. Que o Senhor converta o coração das pessoas que semeiam terror, violência e morte, e também o coração daqueles que fazem e traficam armas”.

in



Sem comentários:

Enviar um comentário