sábado, 4 de março de 2017

Odemira: Festival «Terras sem Sombra» promove concerto dedicado à polifonia de inspiração mariana

Evento começa este sábado, à descoberta do património edificado, e prossegue domingo junto ao rio Mira

Beja, 03 mar 2017 (Ecclesia) – O Festival «Terras sem Sombra» vai promover este sábado um concerto dedicado à polifonia de inspiração mariana, antecedido pela descoberta do património edificado em Odemira, a que se segue no domingo uma ação de biodiversidade no rio Mira.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja, que promove o certame, informa que o evento começa este sábado com uma visita guiada ao património do centro histórico de Odemira, a partir das 14h30.

 “É a oportunidade de se conhecer – entre outros valores ainda pouco acessíveis ao público – a surpreendente igreja quinhentista da Misericórdia, que une na sua estrutura um retângulo e uma elipse e possui extraordinárias pinturas murais”, explica a nota.

A igreja do Salvador é o ponto de encontro e partida para a visita ao património, uma novidade na edição 2017, que vai ser orientada pelos historiadores António Martins Quaresma e José António Falcão, também diretor-geral do festival.

À noite, a mesma igreja, recebe um concerto do ensemble Polyphonos que vai revisitar a música portuguesa de inspiração mariana dos séculos XVI-XVIII, alguma produzida por autores nascidos no Baixo-Alentejo, a partir das 21h30.

“Polyphonos” é uma palavra grega que designa a “coexistência de muitos sons ou vozes” e o ensemble foi fundado pela soprano Raquel Alão, tem a direção artística de José Bruto da Costa e o concerto conta ainda com a meio-soprano Carolina Figueiredo, o tenor Marco Alves dos Santos e o baixo Tiago Mota, entre outros.

Na manhã deste domingo, o Festival ‘Terras sem Sombra’ dinamiza a ação de divulgação e proteção da biodiversidade do território da Diocese de Beja desta vez “pelos meandros do rio Mira”.

A partir das 10h00, a organização propõe um “olhar renovado sobre os gradientes” do rio que tem a particularidade de empreender um curso de sul para norte e o objetivo é visitar, em particular, as pradarias marinhas que representam alguns dos habitats “mais ameaçados a nível mundial” e uma população de lontras “muito peculiar”.

Organizada com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas e da Câmara Municipal de Odemira a proposta é uma caminhada e um passeio de barco onde vão ser reconhecidos os pontos mais relevantes do Mira, que se distinguem pela “espetacular cenografia”.

A 13.ª edição do ‘Terras sem Sombra’ intitulada ‘Do espiritual na arte – Identidades e práticas musicais na Europa dos séculos XVI-XX’ começou a 11 de fevereiro, em Almodôvar.

Depois de Odemira, vai passar por Sines, Santiago do Cacém, Ferreira do Alentejo, Odemira, Serpa, Castro Verde e Beja.

O festival destaca um produto-chave regional para a economia local, que este ano é o azeite da Cooperativa Agrícola de Beja e Brinches.

O FTSS termina com a entrega do prémio internacional ‘Terras sem Sombra’, pelas 18h30 de 1 de julho, no Centro de Artes de Sines.

CB/OC

in



Sem comentários:

Enviar um comentário