quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Religião: 28 agentes pastorais da Igreja Católica assassinados em 2016

Foto: Lusa
Agência Fides, do Vaticano, cita o Papa Francisco para recordar cristãos perseguidos

Cidade do Vaticano, 03 jan 2017 (Ecclesia) - A agência Fides, do Vaticano, revelou que 28 agentes pastorais da Igreja Católica foram assassinados em 2016, número superior ao de 2015 (22 pessoas).

O relatório anual começa por recordar, citando o Papa Francisco, todos os cristãos “assassinados, torturados, presos, degolados porque não renegam Jesus Cristo”, para sublinhar que “os mártires de hoje são em maior número do que nos primeiros séculos”.

Pelo oitavo ano consecutivo, o maior número de mortes registadas pela Fides aconteceu na América, onde houve 12 assassinatos; a África registou oito mortes, a Ásia sete e uma na Europa.

Entre os casos relatados está o assassinato do padre Jacques Hamel, a 26 de julho, enquanto celebrava Missa na igreja de Saint-Etienne-du-Rouvray, em França.

A agência do Vaticano para o mundo missionário sublinha o aumento do número de religiosas assassinadas em 2016, num total de nove, mais do dobro em relação a 2015.

O elenco refere-se não só aos missionários, mas a todo o pessoal eclesiástico que faleceu de forma violenta ou que sacrificou a sua vida, consciente do risco que corria.

A agência de notícias sublinha que a maior parte das mortes aconteceu após “tentativas de assaltos” violentos.

Segundo os dados da agência do Vaticano para o mundo missionário, entre 2004 e 2015 morreram mais de 300 agentes pastorais da Igreja Católica, incluindo três bispos.

No último elenco não figura o padre Juan Heraldo Viroche, pároco na Argentina, que foi encontrado sem vida, em casa, a 5 de outubro de 2016.

O sacerdote era conhecido pela sua luta contra o tráfico de droga e tinha recebido várias ameaças de morte.

OC

in



Sem comentários:

Enviar um comentário