segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Beja: Presépio Tradicional Português vai ser inaugurado no centro histórico

DR
Projeto da diocese e do município reúne figuras e adereços de diferentes localidades da região

Beja, 05 dez 2016 (Ecclesia) – Beja, 05 dez 2016 (Ecclesia) – O Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHA) e a Câmara Municipal de Beja vão inaugurar um Presépio Tradicional Português, no dia 8 de dezembro.

Num comunicado enviado à Agência ECCLESIA, o DPHA informa que o “presépio tradicional português no coração do Alentejo” vai ser inaugurado pelo bispo de Beja D. João Marcos e por João Rocha, presidente do município, esta quinta-feira, às 18h30.

“Em 2016, o Departamento do Património uniu esforços à Câmara Municipal de Beja para a montagem, pela primeira vez, de um Presépio Tradicional Português no enquadramento impar da igreja de Nossa Senhora dos Prazeres, o Museu Episcopal de Beja, em pleno centro histórico da cidade”, lê-se no comunicado.

Projetado pelo arquiteto Ricardo Estevam Pereira e pela conservadora-restauradora Sara Fonseca, o Presépio Tradicional Português “segue de perto a prática histórica nacional”, as figuras e adereços “são oriundos de diferentes localidades da Diocese”, realçando o “carácter regional do conjunto”, onde se incluem também peças do Paço Episcopal de Beja, do Museu de Arte Sacra de Santiago do Cacém e de outras coleções.

Segundo o comunicado do DPHA, a cortiça utilizada é de Brinches, Serpa; o musgo, de Santa Margarida do Sado, em Ferreira do Alentejo; as flores e as estrelas de papel foram feitas no Museu de Sines e o desenho do equipamento coube ao Centro UNESCO para a Arquitectura e a Arte Religiosas.

“A equipa que assegurou a montagem do novo presépio quis ligar a tradição à continuidade da prática presepística, pelo que incluiu na sua equipa uma menina de 6 anos, que interveio em todos os momentos da conceção e da realização do projeto”, realça a organização.

O DPHA assinala que o presépio está “bem enraizado” na tradição portuguesa, associado a um conjunto “plurissecular de manifestações artísticas com uma identidade própria”.

Alertando para uma prática artística que vai caminhando para uma “espécie de facilitismo redutor, com soluções improvisadas ou de pronto-a-vestir”, o Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja recorda que em 2014 um presépio alentejano esteve montado na Basílica de Nôtre-Dame de Fourvière, em Lyon, e recebeu a visita de “mais de um milhão de pessoas” bem como um galardão internacional para “Historical Cribs” (Presépios Históricos).

CB/PR

in



Sem comentários:

Enviar um comentário